sábado, 3 de outubro de 2009

Em Memória de Mim

Hoje em muitas congregações de Porto Velho será realizado o culto da Ceia do Senhor. Um culto diferente, porque nele nos lembramos do sacrifício vicário de Cristo Jesus na cruz por nossos pecados. Pelo menos é pra ser assim, mas sei se isso nem sempre acontece.

Na maioria dos cultos que participamos a intenção final ou na maior parte do tempo que ficamos dentro das quatro paredes não é assim nos portamos. Vamos à Igreja por vários motivos. Para rever os amigos (amizade é tudo), para o pastor nos ver (não posso dar bandeira), para dizer que somos crentes (o mundo está de olho em nós), para mostrar a roupa nova (os crentes são abençoados) e deixamos o motivo do verdadeiro culto a Deus por último (às vezes até esquecemos que é pra isso que vamos à Igreja).

Quando eu era criança, a semana da ceia tinha um clima de santidade para muitos. Aqueles que estavam ofendidos procuravam os ofensores, dívidas eram pagas, nenhuma mentira, nenhum palavrão (você acredita que tem crente que xinga?), nenhum comportamento que escandalizasse o Evangelho de Cristo. Era a semana da Ceia do Senhor. Valorizávamos mais o ser crente. Pelo menos por uma semana. Depois tudo voltava ao "normal".

Mas o que vejo hoje é pior que no que em tempos passados. Numa aula de escola dominical, um aluno questionou porque a Ceia do Senhor era realizada todo mês. Por que não uma única ceia anual como é de costume entre os judeus? Fiquei a meditar nas coisas terríveis que poderiam acontecer se decidíssemos ceiar uma vez por ano como os judeus. Já imaginou 365 dias menos 7 sem nenhum incômodo da vida profana que alguns "cristãos" levam? Sucumbiríamos e seríamos mais uma denominação entre as milhares que já existem.

O propósito principal da Ceia, segundo Jesus, é lembrar o seu sacrifício. Sacrifício este que, se não fosse a Ceia, sumiria de nossos púlpitos como mensagem ao pecador. Para alguns esse tema é repetitivo demais. Ouvir um membro da Igreja dizer que é "pura apelação" falar do sacrifício de Jesus na cruz.

Depois de três anos e meio pregando o evangelho (os maiores e melhores sermões que pode um dia imaginar ouvir saíram da boca de nosso Salvador), ensinando nas sinagogas e à beira de rios (todas as doutrinas que conhecemos hoje foram por ele sisitematizadas através de seus ensinos e parábolas), alimentando os famintos (uma oração e, à semelhança do maná que caía do céu no deserto, milhares e milhares de famílias eram alimentadas), salvando vidas que caminhavam ao inferno (incontáveis os seus números), curando os enfermos (essa lista não tem fim) e vários outros feitos memoráveis que Jesus fez, o que lhe esperava para o fim de sua história como homem entre os homens era o Calvário, um castigo criado pelos romanos para humilhar os bandidos de sua época.

Foi isso que o mundo fez com aquele que veio para salvar os pecadores. Na última quinta-feira de Jesus antes do seu sacrifício, aconteceu a última ceia com os discípulos. Durante a vida de Jesus, três ceias aconteceram, mas somente a última foi registrada pelos evangelistas, talvez por causa do que aquela última representaria para todos nós.

Aquela noite é inesquecível para todos nós. "... o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim" (1Co 11.23-25).

Cada relato da Ceia vem acompanhado de muitas decepções. Aquela noite seria para sempre lembrada como a "noite em que foi traído". Traído por aqueles que estavam próximos, por aqueles que ajudou, por aqueles que Ele chamou de amigos. Traído. Dificilmente associaríamos essa palavra a alguém do tipo de Jesus. Não se encaixa com Ele. Traído por quê? Mas foi assim que entrou para a história: o Salvador foi traído.

Pão, vinho e muita comida eram os elementos do ritual da páscoa celebrada pelos judeus. Jesus se utilizou apenas do pão e do vinho para falar aos apóstolos sobre o seu sacrifício (pelos menos são os únicos registrados pelos quatro evangelho e epístolas). Na época, um único pão era servido a todos os participantes. O celebrante tomava o pão, rasgava um pedaço para si e o passava de mão em mão até que todos fossem servidos. Quando Jesus "tomou o pão... tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós". Deve ter sido uma profunda revelação para os apóstolos. Quantas páscoa não haviam comido? E quantas ceias não haviam participado? Mas a partir daquele dia, eles veriam o corpo de Jesus sendo rasgado.

O pão é o símbolo de sua carne e o vinho, de seu sangue derramado na cruz. E as últimas horas de Jesus foram de muito sangue derramado. Tendo ido ao Monte Getsêmani para orar, aquele não era o fim esperado para uma vigília. O barulho ouvido foi de centenas de soldados vindo em direção a Jesus liderados pelos principais dos judeus e seguidos pelo traidor Judas que se aproxima e lhe beija a face. Por que o único relato de alguém que beijou a face de Jesus entraria para a história como o beijo do traidor? Milhares de pessoas gostariam de ter beijado a sua linda face, mas não o fizeram. Para identificar a Jesus no meio dos discípulos, Judas o beijou. E o nosso Senhor Jesus foi levado para o pátio do templo e por aquela longa noite foi escarnecido pelos soldados romanos. Bateram em sua cabeça, foi chicoteado, cuspido, zombado, manietado para que de manhã fosse publicamente julgado pelos principais dos judeus e autoridades romanas.

Continua...

Nenhum comentário: