quarta-feira, 30 de março de 2011

Pensando no Céu

Por mais que estejamos acostumados por aqui, sabemos que o tempo de nossa partida está próximo. Não ficaremos muito tempo na terra. O céu já nos espera.

Por isso, por mais incômodo que seja para alguns falar de arrebatamento, nunca essa mensagem foi tão necessária. Essa mensagem tem o poder de resgatar em cada ouvinte a santidade, urgência da volta de Jesus e a preparação que todos devem mostrar a cada dia para não sermos surpreendidos com a vinda de Jesus.

Mas, como disse Paulo, pensemos nas coisas que são de cima. E isso é revolucionário para nós. Isso nos tira todos os anseios pelo que é temporal e nos dá novos rumos e prioridades. Essa mensagem traz consolo, pois os dias atuais são de muita tribulação, de angústias, de aflições e pelo que tudo indica nada vai melhorar. Segundo Jesus, os acontecimentos se afunilarão cada vez mais e os sinais se multiplicarão. Mas isso não é para nós, pois nossa esperança não está em nada dessa terra. Por mais que tenhamos visto muitas coisas maravilhosas neste mundo, o céu é muito mais.

O céu é mais do que se pode ver. Todos nós apreciamos o que é belo. Mas qualquer coisa por mais belo que seja, o céu é muito mais. O céu é tão belo que nas palavras de quem foi até, não puderam expor nada de tudo o que viram. Quando foram relatar o que viram, fizeram questão de comparar com o que de mais belo há no mundo. Ouro, prata, pedras preciosas, cristal, pérola. Ainda assim, o céu é mais.

O céu é mais do que se pode ouvir. Gostamos de ouvir o que é belo. Nosso nome, um belo hino. Gostamos de ouvir belos testemunhos, nos emocionamos, ficamos sensíveis, choramos, pois o que é belo nos toca forte. Ainda assim, o som do céu é tão belo que nas palavras de Paulo, não tem como discernir: tem som de trombeta com voz de arcanjo. Isaías teve uma visão do trono de Deus e escreveu que ali os seres angelicais constantemente dizem: “Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos”.

O céu é mais que a mente pode imaginar. Quem já foi a um palácio? Quem já visitou os maiores museus do mundo? Quem já esteve pertinho do Cristo Redentor? Quem foi pode dizer o que é belo. Mas, para falar do céu, temos de colocar a mente para trabalhar e pensar bastante. Consegue pensar num lugar em que não há dor, angústia, tristeza, tentação, pecado, doença, morte, ira ou contenda? Consegue pensar num lugar onde todas as lágrimas serão enxugadas? Consegue pensar num lugar onde não se precisa de políticos, pois o próprio Jesus é Rei e Senhor? Se consegue pensar num lugar assim, então multiplique isso por números infinitos, aí poderá começar a ter uma ideia de como é o céu. O céu é muito mais.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Interpretação Bíblica: Existem Limites

Comumente os mais absurdos erros de interpretação bíblica são cometidos por que faltam, no mínimo, conhecimento básico de teologia. As regras abaixo são fáceis de aplicar e mais fáceis ainda de decorar. Faça o teste: o seu próximo encontro com a Bíblia pode ser diferente.

Princípios de Interpretação Bíblica

Regra 1: Estude a Bíblia partindo do pressuposto de que ela é autoridade suprema em questões de religião, fé e doutrina

Regra 2: Não se esqueça que a Bíblia é a melhor intérprete de si mesma, isto é, a Bíblia interpreta a própria Bíblia

Regra 3: Dependa da fé salvadora e do Espírito Santo para a compreensão e interpretação das Escrituras

Regra 4: Interprete a experiência pessoal à luz das Escrituras e não as Escrituras à luz das experiências pessoais

Regra 5: Os exemplos bíblicos só tem autoridade prática quando amparados por uma ordem que os torne mandamento universal

Regra 6: O principal propósito das Escrituras é mudar a nossa vida, não multiplicar os nossos conhecimentos

Regra 7: Todo cristão tem o direito e a responsabilidade de interpretar pessoalmente as Escrituras seguindo universalmente aceitos pela Ortodoxia Bíblica

Regra 8: Apesar da importância da história da Igreja, ela não chega a ser decisiva na fiel interpretação das Escrituras

Regra 9: O Espírito Santo quer aplicar as promessas divinas, registradas nas Escrituras, à vida do crente, em todos os tempos

Princípios Gramaticais de Interpretação

Regra 1: As Escrituras só tem um sentido, e deve ser tomado literalmente

Regra 2: As palavras do texto bíblico devem ser interpretadas no sentido que tinham no tempo do autor

Regra 3: As palavras do texto bíblico devem ser interpretadas em relação à sua sentença e ao seu contexto

Regra 4: Quando um objeto inanimado é usado para descrever um ser vivo, a proposição pode ser considerada figurada

Regra 5: As principais partes e figuras de uma parábola representam certas realidades. Considere essas principais partes e figuras somente quando estiver tirando conclusões

Princípios Históricos de Interpretação

Regra 1: Uma palavra nunca é compreendida completamente até que se possa entendê-la como palavra viva, isto é, originada na alma do autor

Regra 2: É impossível entender um autor e interpretar corretamente suas palavras sem que ele seja visto à luz das circunstâncias históricas

Regra 3: Uma vez que as Escrituras se originaram de modo histórico, elas devem ser interpretadas à luz da História

Regra 4: Embora a revelação de Deus nas Escrituras seja progressiva, tanto o AT como o NT são partes essenciais desta revelação e formam uma unidade

Regra 5: Os fatos ou acontecimentos históricos tornam-se símbolos de verdade espirituais, somente se as Escrituras assim os designarem

Princípios Teológicos de Interpretação

Regra 1: Você precisa compreender gramaticalmente a Bíblia, antes de compreendê-la teologicamente

Regra 2: Uma doutrina não pode ser considerada bíblica, a menos que resuma e inclua tudo o que a Escritura diz sobre ela

Regra 3: Quando parecer que duas doutrinas ensinadas na Bíblia são contraditórias, aceite ambas como escriturísticas, crendo confiantemente que elas se explicarão dentro de uma unidade mais elevada

Regra 4: Um ensinamento simplesmente implícito nas Escrituras, pode ser considerado bíblico quando uma comparação de passagens correlatas o apóia

quarta-feira, 16 de março de 2011

Seminários





Para realização de qualquer um desses seminários em sua Igreja, entre em contato com o editor do blog:

Telefone: (69) 9988-1070

terça-feira, 8 de março de 2011

Duas Pessoas, Sete Opiniões Diferentes

Desde a minha infância almejei liderar uma Igreja. Quando ainda era uma criança, minha principal "brincadeira" era dirigir cultos com meus primos e amigos da rua. Pra variar, eu era sempre o pastor. Mas aí cresci, tive de enfrentar a realidade ministerial (que é bem diferente das brincadeirinhas). A gente tem de encarar uma outra dimensão. Tem amigos no ministério, tem inimigos no ministério, tem companheiros no ministério, tem os que te puxam pra trás... tem todos os personagens.

Amigos e inimigos, sinceros e falsos, trabalhadores e omissos, companheiros e negligentes, torcedores e opositores, Neemias e Tobias, Mardoqueu e Hamã, Jônatas e Saul, Josué e Datã, João e Judas, Lucas e Demas. A lista não tem fim.

Hoje estou sentindo na pele as intolerâncias de alguns. Tem gente do nosso lado, tem uns que ainda não se decidiram, tem uns que já se decidiram: alguns do nosso lado, outros, de seu próprio lado. Enquanto escrevo essas linhas, lembro-me da história do caminhante com seu filho e seu burrinho ajudador...

A história é simples, mas nos faz refletir sobre a diversidade de estereótipos que as pessoas tem sobre as outras. Um caminhante com seu filhinho confortavelmente andavam montados em seu burrinho. Quando adentrou a primeira cidade, os moradores dali murmuravam sobre o terrível peso que aqueles dois folgados impunham sobre o burrinho. "Que judiação com o animal. Porque não descem e ajudam o burrinho" era o que os olhudos dali diziam. Resultado? Os dois desceram e passaram a guiar o burrinho. Esse grupo parecia agora satisfeito.

Outra cidade já os esperava, quando com dó do garotinho, o velho homem coloca-o sobre o lombo do animal. "Que garoto sem coração! Como tem a coragem de andar montado no burro enquanto seu pai arrasta-se atrás?" Coração humano, quem o conhecerá? O garoto desce e junto com o velho segue seu caminho.

Entrando em outra cidade, o terrível esforço de andar muito a pé põe o velho sobre o animal. Agora as críticas dirigiam-se ao velho homem que, sem querer, segundo estes, escravizava o garoto. O resultado você já sabe. O velho desce do burro. Não restando mais o que fazer em relação a opinião dos outros, o velho e o garoto resolvem carregar o burrinho nas costas.

Moral da história: opiniões são importantes, mas nem todas deve influenciar nossas atitudes. Somos também seres de opiniões, na maioria das vezes, diferentes.

Porque conto isso? É que na Igreja cada um quer que a sua vontade prevaleça. Mas quem se interessa pelo que Deus quer? Quem fará o que lhe apraz? Quem cumprirá a sua soberana vontade? Quem realizará seu desejo?

Para concluir, vale a pena ler o texto de Isaías 40.1-13,14:

"Quem guiou o Espírito do Senhor, ou como seu conselheiro o ensinou? Com quem tomou ele conselho, que lhe desse entendimento, e lhe ensinasse o caminho do juízo, e lhe ensinasse conhecimento, e lhe mostrasse o caminho do entendimento?"

Dúvidas sobre o Amor de Deus?

As considerações abaixo foram escritas a um amigo que foi interpelado por alguém sobre a capacidade de Deus em seu amor condenar pessoas ao lago de fogo. Aprecie sem moderação. Acho que isso pode render...

***************************************

Caro amigo, primeiramente quero louvar a Deus pela sua vida, por teu compromisso com Deus e com sua Palavra. Que te vá bem em todas as coisas...

Quero aproveitar esse espaço para algumas observações que julgo serem necessárias antes da exploração do tema proposto pelo seu amigo:

- Primeiro, convém salientar a historicidade da pergunta, pois antes mesmo de ser a dúvida de seu amigo, foi tema de grandes debates durante a segunda guerra mundial, sendo que, nesse tempo, buscava-se a completa extinção do inferno, principalmente para homens tão cruéis como Stálin, Hitler, Mao, Pol Pot e outros monstros nos anais da história da humanidade. Esses deveriam ser punidos por uma autoridade superior, que majestosamente, era a pessoa augusta de Deus.

- Segundo, quando pergunto: "Pode Deus pelo seu amor jogar o homem, sua criatura no lago de fogo?" não estou apenas fazendo uma pergunta filosófica para responder a um anseio existencialista, mas estou pondo em cheque a justiça de Deus e duvidando de seu amor. É preciso esclarecer que não é o amor de Deus que lança o homem no lago de fogo e, sim, o pecado, pois segundo as suas obras, pode ser absolvido ou condenado. As obras de cada um e não o amor de Deus determina o destino do homem. Deus não pode ser culpado pelo erro do homem.

- Terceiro, Deus tem dado mais provas que ama o pecador ao ponto de esperar sua boa vontade em atender ao seu chamado do que o homem em obedecer os seus caminhos. Deus não lança pessoas no lago de fogo e sim, suas obras quando julgadas, determinam como será a eternidade de cada um: com ou sem Deus.

Que Deus continue te enriquecendo de graça e verdade.

Seu amigo, Nilonei Ramos.

domingo, 6 de março de 2011

Bíblia, Livro dos livros...

“É impossível governar perfeitamente o mundo, sem Deus e sem a Bíblia” (George Washington).

“É a minha fé na Bíblia que me tem servido de guia para a minha vida moral e literária. Quanto mais a civilização avança, mais será empregue, a Bíblia” (Immanuel Kant).

“Em todas as minhas perplexidades e angústias a Bíblia nunca deixou de me fornecer luz e vigor” (Robert E. Lee).

“Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do Mundo nos são ditas através deste Livro” (Abraham H. Maslow).

“Eu amo a Bíblia, leio-a todos os dias e, quanto mais a leio tanto mais a amo. Há alguns que não gostam da Bíblia. Eu não os entendo, não compreendo tais pessoas, mas, eu a amo, amo a sua simplicidade e amo as suas repetições e reiterações da verdade. Como disse, eu leio-a quotidianamente e gosto dela cada vez mais” (D. Pedro II).

“Há mais indícios seguros de autenticidade na Bíblia do que em qualquer história profana” (Isaac Newton).

“Um bom conhecimento da Bíblia vale mais do que uma educação superior. Quase todas as pessoas que com o trabalho de suas vidas acrescentaram algo para o conjunto das realizações humanas… basearam o seu trabalho grandemente nos ensinamentos da Bíblia” (Theodore Roosevelt)

“Uma pessoa que se privou do conhecimento da Bíblia privou-se da melhor coisa que existe no Mundo” (Woodrow Wilson).

“Livro de minha alma aqui o tenho: é a Bíblia. Não o encerro na biblioteca, entre os de estudo, conservo-o sempre à minha cabeceira, à mão. É dele que tiro o pão para a minha fome de consolo, é dele que tiro a luz nas trevas das minhas agonias” (Coelho Neto).

“Não existe livro nenhum que tenha tanta variedade como a Bíblia, nenhum que tenha tanta sabedoria concentrada. Quer se trate de lei, negócios, moral, etc., quem busca orientação pode olhar dentro de suas capas e encontrar luz” (Herbert Hoover).

“A Bíblia não é somente um grande livro de referências históricas, mas é também o guia para a vida diária e por esta razão eu a respeito e amo” (Hailé Selassié).

“A Bíblia não é um livro qualquer, mas sim uma Criatura Viva, com um poder que conquista tudo o que se opõe a ela” (Napoleão Bonaparte).

“A Bíblia ensina-nos a amar o próximo e também a amar os nossos inimigos provavelmente porque eles são, em geral, as mesmas pessoas” (Mark Twain).

“A Bíblia tem sido a carta magna dos pobres e oprimidos. A raça humana não está em condições de dispensá-la” (Thomas Henry Huxley).

“A alma jamais pode vaguear sem rumo, se tomar a Bíblia para lhe guiar os passos” (Napoleão Bonaparte).

“A Bíblia é o instrumento mais poderoso que o pregador pode ter. Com ela falo com confiança à mais sofisticada, ou mais degradada, ou mais incrédula das pessoas” (H. M. S. Richards).

“A Bíblia é uma janela neste mundo-prisão, através da qual nos é possível divisar a eternidade” (Timoty Dwight).

“A esperança total do progresso humano está pendente da influência crescente da Bíblia” (William Henry Seward).

“A leitura da Bíblia em si, é uma educação” (Alfred Lord Tennyson).

"Se eu a coloco (a Bíblia) abaixo de todos os livros, ela é a que mantêm todos eles, se eu a coloco no meio dos outros livros, ela é a coração desses livros, e se eu a coloco em cima dos outros livros, ela é a cabeça e autoridade de todos os livros em minha biblioteca" (Rui Barbosa).

"A Bíblia parece uma orquestra sinfônica, tendo o Espírito Santo como seu maestro;cada instrumento foi trazido voluntária, espontânea e criativamente para tocar suas notas exatamente como o grande maestro queria, embora nenhum dos músicos pudesse ouvir a música como um todo" (J. I. Packer).

"Um simples cristão com a Bíblia na mão pode dizer que a maioria está errada" (Francis Schaeffer).

"A Bíblia, toda a Bíblia e nada mais do que a Bíblia, é a religião da igreja de Cristo" (C. H. Spurgeon).

"A divindade de Cristo é a doutrina-chave das Escrituras. Rejeite-a, e a Bíblia tornar-se-á um amontoado de palavras sem qualquer tema que lhe dê unidade. Aceite-a, e a Bíblia tornarse-á uma revelação compreensível e ordenada de Deus na pessoa de Jesus Cristo" (J. Oswald Sanders).

"Nossa fé é alimentada pelo que está claro nas Escrituras e testada pelo que é obscuro" (Agostinho).

"Enquanto outros livros informam e poucos reformam, só este livro transforma" (A. T. Pierson).

"A Bíblia é uma mina de diamantes, um colar de pérolas, a espada do espírito; um mapa pelo qual o cristão navega para a eternidade; o roteiro pelo qual anda todos os dias; o relógio pelo qual acerta sua vida; a balança com a qual pesa suas ações" (Thomas Watson).

"O cristão percebe que os dentes do tempo roem todos os livros, menos a Bíblia... Dezenove séculos de experiência a têm provado. Ela passou pelo furor da crítica que nenhum outro volume sofreu; suas verdades espirituais suportaram as chamas e saíram ilesas até do cheiro de queimado" (W. E. Sangster).

"A Bíblia é uma janela na prisão deste mundo, através da qual podemos olhar para a eternidade" (Timothy Dwight).

"Quero conhecer uma coisa: o caminho para o céu... O próprio Deus dignou-se a ensinar o caminho... Ele o escreveu em um livro. Oh, dá-me esse livro! A qualquer preço, dá-me o livro de Deus!" (John Wesley).

"O homem que não está preparado para prestar obediência à Palavra de Deus não é capaz nem de ouvi-la corretamente. Por isso as parábolas tornam-se janelas para algumas pessoas e muros para outras" (J. Blanchard).

"Onde a Bíblia não tem voz, não devemos ter ouvidos" (John Trapp).

"A Bíblia é entre os livros aquilo que Cristo é entre os homens" (Anônimo).

"A Bíblia, como revelação de Deus, não tem a intenção de nos dar todas as informações que pudéssemos desejar nem de resolver todas as questões com as quais a alma humana vive perplexa, mas a de transmitir o suficiente para ser um guia seguro para o porto do descanso eterno" (Albert Barnes).

"Encha seu coração e sua mente com a Palavra de Deus. Memorize versículo, de modo que você possa citar a passagem corretamente quando estiver em reuniões ao ar livre ou pregando para alguma pessoa. Ao fazer isso, estará lançando sementes no coração dela, as quais serão germinadas pelo Espírito Santo. Ele será capaz de trazer à sua mente aqueles textos que você memorizou um dia. Você precisa estar ensopado com a palavra de Deus, tão cheio dela que você mesmo seja uma carta viva, conhecida e lida por todos os homens. Os crentes são fortes apenas quando a Palavra de Deus habita neles" (Smith Wigglesworth).