domingo, 23 de dezembro de 2007

Nascendo de Novo

Mais uma vez o Natal chegou e com ele parece que a harmonia voltou a ser prioridade. Que bom! É o efeito do nascimento de Cristo. Mas não é somente no Natal que Cristo tem efeito sobre a humanidade.

Olhe o mundo a sua volta. Tudo que é bom tem influência de Cristo.

- Os hospitais, que basicamente surgiram na Idade Média...

- As universidades, que também surgiram na Idade Média. Além disso, a maioria das grandes universidades foi fundada por cristãos para propósitos cristãos...

- A alfabetização e o ensino para o povo...

- O capitalismo e a iniciativa privada...

- O governo representativo, como se observa em alguns países...

- A separação dos poderes políticos...

- Os direitos civis...

- A abolição da escratura, tanto na Antigüidade quanto nos tempos modernos...

- A ciência moderna...

- A descoberta do Novo Mundo por Colombo...

- A valorização das mulheres...

- A bondade e a caridade; a ética do bom samaritano...

- Os padrões de justiça mais elevados...

- A ascensão do homem comum...

- A condenação do adultério, do homossexualismo e de outras perversões sexuais. Isso ajudou a preservar a raça humana e poupou a muitos do sofrimento...

- Mais respeito pelo ser humano...

- A civilização de muitas culturas bárbaras e primitivas...

- O maior desenvolvimento da arte e da música. Inspiração para os maiores trabalhos de arte...

- Inúmeras vidas que de sujeição passaram a benfício para a sociedade devido a pessoa de Cristo...

- A salvação eterna de incontáveis almas...

- Eu transformado...

Analisando tudo isso, ainda tem gente que só lembra de Cristo no Natal. Há dois anos atrás, Ele nasceu em Belém, cidade pequena e difamada, pregou sua mensagem onde foi possível e sua vida teve em todas as gerações posteriores, um impacto sem igual.

Feliz Natal de Jesus a todos!

sábado, 22 de dezembro de 2007

A Voz dEle

Escutar a Deus é uma experiência de primeira mão. Quando Ele pede sua atenção, Deus não quer que você envie um substituto; Ele quer você. Ele o convida a tirar férias no esplendor dele. Ele o convida a sentir o toque da mão dele. Ele o convida a festejar à mesa dele. Ele quer passar tempo com você. E com um pouco de treinamento, seu tempo com Deus pode ser o ponto alto do seu dia.
Equipados com as ferramentas certas, nós podemos aprender a escutar a Deus. Quais são essas ferramentas? Aqui estão as que achei úteis.

1. Uma hora do dia e um lugar constantes.

Escolha um horário na sua agenda e um canto de seu mundo, e reserve-os para Deus. Para alguns pode ser melhor fazer isto pela manhã. “Já de manhã a minha oração chega à tua presença” (Sl 88.13). Outros preferem à noite e concordam com a oração de Davi: “Suba à tua presença a minha oração, como incenso, e seja o erguer de minhas mãos como oferenda vespertina” (Sl 141.2). Outros preferem muitos encontros durante o dia. Aparentemente o autor de Sl 55 sentia isto. Ele escreveu: “À tarde, pela manhã e ao meio-dia choro angustiado, e ele ouve a minha voz” (v. 17).
Alguns sentam debaixo de uma árvore, outros na cozinha. Talvez sua viagem ao trabalho ou sua hora de almoço seriam apropriados. Busque um tempo e lugar que pareçam certos para você.
Quanto tempo você deve separar? O quanto você precisar. Dê mais valor à qualidade do que à quantidade de tempo. Seu tempo com Deus deve durar o suficiente para você dizer o que você quer e para Deus dizer o que ele quer. Isso nos leva a uma segunda ferramenta que você precisa – uma Bíblia aberta.

2. Uma Bíblia aberta.

Deus fala conosco pela Palavra dele. O primeiro passo para ler a Bíblia é pedir a Deus para ele lhe ajudar a entender a Palavra. “Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que eu lhes disse” (Jo 14.26).
Antes de ler a Bíblia, ore. Não vá para a Escritura procurando suas próprias idéias; vá procurar as de Deus. Leia a Bíblia em oração. Também, leia a Bíblia com cuidado. Jesus nos falou: “Procure, e você achará” (Mt 7.7). Deus recomenda aqueles que meditam na Palavra “dia e noite” (Sl 1.2). A Bíblia não é um jornal a ser lido superficialmente, mas uma mina onde procuramos seu tesouro. “Se procurar a sabedoria como se procura a prata e buscá-la como quem busca um tesouro escondido, então você entenderá o que é temer o Senhor e achará o conhecimento de Deus” (Pv 2.4-5).
Eis um ponto prático. Estude a Bíblia um pouco de cada vez. Deus parece enviar mensagens como ele fez com o maná: numa porção suficiente para cada dia. Ele provê “preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali” (Is 28.10). Escolha profundidade ao invés de quantidade. Leia até que um versículo lhe “toque”, então pare e medite nisto. Copie o versículo numa folha de papel, ou escreva em seu diário, e reflita nele várias vezes.
Eu aprenderei o que Deus pretende que eu aprenda? Se eu escutar, sim! Não fique desanimado se sua leitura render uma colheita pequena. Há dias em que uma porção menor é tudo que nós precisamos. Uma menina novinha voltou do primeiro dia na escola. A mãe dela perguntou: “Você aprendeu alguma coisa?” “Acho que não”, a menina respondeu. “Eu tenho que voltar amanhã e no dia seguinte, e no dia seguinte...”.
Tal é o caso com a aprendizagem. E tal é o caso com o estudo da Bíblia. O entender vem aos poucos, durante uma vida toda.

3. Um coração atento.

Há uma terceira ferramenta para ter um tempo produtivo com Deus. Nós precisamos não só de um tempo constante e uma Bíblia aberta, nós também precisamos de um coração atento. Não esqueça da advertência de Tiago: “O evangelho é a lei perfeita que dá liberdade às pessoas. Se alguém examina bem essa lei e não a esquece, mas a põe em prática, Deus vai abençoar tudo o que essa pessoa fizer” (Tg 1.25).
Nós sabemos que estamos escutando a Deus quando aquilo que nós lemos na Bíblia for o que outros vêem em nossas vidas.
Paulo chamou seus leitores a porem em prática o que eles tinham aprendido dele. “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco” (Fp 4.9).
Quero encorajar você a fazer o mesmo. Passe tempo escutando a Deus até que você receba sua lição para o dia – e então, pratique-a.

Às vezes pessoas pensam que não conhecem Jesus porque não entendem ainda a Bíblia. Talvez, a verdade seja o contrário. Pode ser que não entendemos a Bíblia porque não conhecemos Jesus. Cremos que o conhecimento pessoal de Jesus, a aproximação pessoal a Ele, a plena aceitação dEle como Senhor e Salvador das nossas vidas é o que mais nos dará segurança na interpretação da Bíblia. Tendo este relacionamento íntimo com Jesus, guiados pelo seu Espírito habitando em nós, teremos as melhores condições para compreendermos a vontade de Deus. Ainda nos preparando com boas ferramentas e seguindo princípios sólidos de interpretação, podemos prosseguir com a segurança de que Deus se fará conhecido a nós e nos mostrará o que precisamos entender da sua Palavra.
Que Deus esteja conosco nesta missão.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O Divisor da História

Jesus viveu num país pequeno e nunca saiu de seus limites. Era tão pobre que Ele mesmo dizia que não tinha onde recostar a cabeça. Seu único dinheiro estava na boca de um peixe. Ele andava em um animal que lhe fora cedido por um homem. Ele cruzou o lago num barco emprestado por outro homem. Ele foi enterrado no túmulo de outra pessoa. Ainda assim, Ele seu manto real de lado para fazer essas coisas.

Ele nunca escreveu um livro. Suas palavras registradas talevez nem dessem para fazer uma edição de bolso. Ainda assim, as palavras que foram escritas sobre Ele, colocadas juntas, encheriam mil bibliotecas do congresso americano.

Ele nunca fundou uma faculdade para perpetuar suas doutrinas. Ainda assim, seus ensinamentos tem resistido por mais de dois mil anos.

Ele nunca carregou uma espada, nunca organizou um exército, nunca formou uma marinha, nunca teve uma força aérea e nunca empreendeu uma batalha. Ainda assim, fundou um império no qual há milhões que morreria por Ele e muitos reis temeram-no e conquistou o mundo.

Ele nunca estudou medicina e não tinha nenhum medicamento. Ainda assim, chamaram-no doutor e curou aqueles que vieram a Ele.

Ele não era do mundo. Ainda assim, quando morreu, o sol se escondeu e todos os céus ficaram de luto.

Ele não teve nenhum empregado. Ainda assim, chamaram-no Soberano.

Ele não teve nenhum diploma. Ainda assim, chamaram-no professor.

Ele não cometeu nenhum crime. Ainda assim, o crucificaram.

Ele foi enterrado num túmulo. Ainda assim, vive até hoje.

A data em que escrevo essas linha é 2007. Por que o calendário não começa a apartir da fundação de Roma, da Revolução francesa, da fuga de Maomé ou do nascimento de Buda? Porque segundo a cronologia aceita, este Homem nasceu 2007 anos atrás.

Sinto-me honrado por servir tal chefe que me Ama!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Ano Mais ou Menos

Desde os primeiros anos de vida, a gente aprende a cantar parabéns, a dizer quantos anos temos e várias outras coisas relativas a anos. "Ensina-nos a contar os nossos anos, de modo que alcancemos coração sábio", foi a simples oração de Moisés. Mas o que fazer quando os anos perdem a novidade e tudo deixa de suspresa? As palavras de Moisés ficam mais fortes ainda.

Deus, em infinita sabedoria e poder, nos deu a capacidade de viver eternamente, mas o pecado mingou um pouco esta dádiva. Agora vivemos apenas alguns anos, depois dos setenta (como diz meu avó) estamos no lucro. A minha mente é conduzida à Bíblia e eu descubro que tudo de Deus não vence com o tempo, não tem prazo de validade. A graça de Deus comunicado a nós é abundante todo dia e descobrir isso é a maiorsurpresa da vida de um homem.

Os PESSIMISTAS dizem: menos um ano; os OTIMISTAS: mais um ano.
Os ARROGANTES ficaram mais longe de Deus; os HUMILDES consideraram Deus o doador de tudo.
Os CIENTISTAS excluíram Deus de seus pensamentos; os LEIGOS encontraram nEle a razão de toda existência.
Os ATEUS mataram Deus em seus corações; os CRENTES morreram pra que Deus vivesse neles e por eles.
Os ÍMPIOS desonraram a Deus; os SANTOS comungaram a vida de Deus.

A vida é assim, e a medida que os anos passam, urge ainda mais a carência, dependência de Deus em tudo o que fazemos. Deus quer centro de tudo, mas primeiro quer ser primeiro em nossos corações. Ele quer dar-nos de Sua graças, mas não duvido que, antes de tudo, quer-nos no centro da Sua vontade.

O ano termina, mas a graça de Deus não. Creio que até o último dia nosso nessa Terra ainda podemos contar com um grande sorriso de Deus e esse sorriso é a Sua graça.

Misericórdia acrescida, amor multiplicado, paz excedente, alegria indizível e bençãos incontáveis. Essa é a novidade de Deus para nós, todos os dias, durante todo o ano, em toda a nossa vida.

Eu prefiro crer que com Deus, esse ano foi mais um ano. Fui surpreendido todos os dias, vacilei bastante, mas confiei nEle em todas as horas. Meu copo não está vazio, mas, com Deus, creio que está cheio. Apanhei muito, sofri, aprendi grandes lições com as dores, mas cresci ainda mais.

Desejo a todos muita paz.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Esperança no Dia Mau

Dia longo, dia ruim, dia difícil...

Esses são apenas alguns nomes que damos aos dias dolorosos da vida. E eles vão chegar, quer seja agora ou amanhã, teremos um dia de enfrentá-los.

Para alguns, esse dia é quase que comum, não existe alteração alguma em seu modo de viver, aprenderam a conviver com as crises; para outros, esse dia quase não existe, as dificuldades são menores e são facilmente superadas.
O que quero dizer é que, caso o seu dia seja adjetivado com qualquer uma das palavras acima, o segredo de manter o equilíbrio em tudo é confiar em Deus. Os homens falham, as estações mudam, os planos são flexíveis, alguns brilham mais que os outros, mas Deus...

É inalterável em seu poder...

É grande em suas misericórdias...

É piedoso e compassivo em sua ira...

É justo em todas as decisões...

E assiste a cada um de nós em nossas necessidades.

Eu posso crer nisso.

Creio que Deus fará nessa semana que inicia muito mais do que naquela que passou.

Um forte abraço.

Felicidades!

domingo, 2 de dezembro de 2007

Será que Deus é culpado?

Finalmente a verdade é dita na TV Americana. A filha de Billy Graham estava sendo entrevistada no Early Show e Jane Clayson perguntou a ela: "Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro?" Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:

Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua benção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco? À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc...

Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O'hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas. A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.

Logo depois o Dr. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos: Um perito nesse assunto deve saber o que está falando. E então concordamos com ele.

Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal. Então foi decidido que nenhum professor poderia tocar nos alunos (há diferença entre disciplinar e tocar).

Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem. E nós aceitamos sem ao menos questionar.

Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade. E nós dissemos: Está bem!

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma apreciação natural do corpo feminino. Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet. E nós dissemos: Está bem, isto é democracia, e eles têm o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso.

Agora nós estamos nos perguntando por que nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado; porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios... Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender: nós colhemos só aquilo que semeamos!

Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus: Senhor, porque não salvaste aquela criança na escola? A resposta dele: Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!

É triste como as pessoas simplesmente culpam a Deus e não entendem porque o mundo está indo a passos largos para o inferno. É triste como cremos em tudo que os Jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia, ou do que a sua religião, que você diz que segue ensina. É triste como alguém diz: Eu creio em Deus. Mas ainda assim segue a satanás, que, por sinal, também crê em Deus.

É engraçado como somos rápidos para julgar, mas não queremos ser julgados! É triste ver como as pessoas ficam inflamadas a respeito de Cristo no domingo, mas depois se transformam em cristãos invisíveis pelo resto da semana. Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam a nosso respeito do que com o que Deus pensa.

Onde existe Deus existe fome, mas encontra-se o alimento; existe dor, mas encontra-se o remédio; existe guerra, mas pode-se estabelecer a Paz; existem problemas, mas, também, as soluções; pode-se estar só, mas não há solidão. Onde Ele não está, a fome mata, a dor enlouquece, a guerra dizima, os problemas são senhores, e a solidão é companheira, mesmo no meio da multidão.

Cabe a cada um fazer a sua escolha e receber os resultados. E, por incrível que pareça, esta é a única escolha que podemos mudar quantas vezes quisermos; afinal, Deus é o único que sempre tem os braços abertos para nós, quando o procuramos, arrependidos, independente do que tenhamos feito ao abandoná-lo e por quanto tempo estivemos afastados.

(recebi um e-mail que constava esse texto; achei edificante e resolvi postar aqui. Não alego autoria).

domingo, 18 de novembro de 2007

Ele não demora

Quase dois mil anos se passaram desde que Jesus subiu ao céu e nos deixou a promessa de um dia voltar. Aqueles que testemunharam sua subida tinham tudo para crer. “Aquilo que ouvimos, vimos e nossas mãos tocaram, disso testificamos”, disse um deles, mas infelizmente a chama tem se apagado todo dia.

Alguns previram, falharam e para alguns a volta de Jesus é coisa de louco. Cresceram tanto em seu orgulho que não imaginam mais a vida em outro lugar.

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a tenham por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se”. Até na demora (que alguns julgam), Deus faz assim “não querendo que alguns se percam”. Deus quer que “todos venham a arrepender-se”.

Somos tentados a desistir, sim. Somos desencorajados quanto à esperança, mais ainda. Mas não podemos perder a confiança. A volta de Jesus é um consolo para todos nós.

É verdade que alguns vivem tão obcecados com os últimos dias que esquecem do dia de hoje. Outros vivem ao contrário. Falam da volta de Jesus, e, no entanto vivem como se Ele nunca fosse voltar. Uns vivem em pânico, outros vivem calmos demais.

Não sei quando Ele vem; a Bíblia não diz dia nem hora. Diz que Ele vem “como ladrão, de noite”. Muita gente ficará surpreso porque O esperam para datas futuras, mas Ele vem.

“O Espírito e noiva dizem: Vem! E quem ouve diga: Vem! E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida”. Ele vem!

E qualquer hora que Ele vir, pra mim está bom! Eu quero subir com Ele. Quero deixar tudo o que me fez chorar e contemplar, por toda a eternidade, a formosura do Senhor. Vivo na expectativa de que Ele volta hoje, mas se Ele não voltar, esperarei amanhã com a mesma esperança, até que se cumpra a palavra dEle: “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo... os justos para a vida eterna”.

Vale a pena esperar...

Ele me Perscruta

A tecnologia evoluiu muito nos últimos anos. Microscópios que aumentam milhares de vezes o tamanho original permitindo ver detalhes de qualquer objeto ou ser; o Google Earth, um programa de computador facilmente manuseado que pode visualizar qualquer lugar do mundo em questão de segundos; equipamentos eletrônicos que podem localizar aparelhos celulares desligados e uma porção de outros apetrechos que torna mais real ainda a idéia de “sorria, você está sendo filmado”.

Tanto avanço me fez pensar em Deus. Não há ninguém me conheça mais que Ele. Cada célula do meu corpo foi objetivamente criada. Com Seu olhar onisciente, Ele tem a capacidade de enxergar não apenas o que esconde a pele do meu corpo, mas a intenção e palavras ainda nem ditas pela minha boca.

Para Ele, nada está encoberto. “De longe entendes o meu pensamento”. Não há lugar em que Ele não esteja; não há época em que Ele não exista; não há futuro em que Ele não seja presente. Toda eternidade para Deus (passado, presente e futuro) é um eterno presente.

Quando reflito em tudo isso, me sinto humilhado, não por ser conhecido por Deus, mas porque, mesmo sabendo que Ele vê todas as coisas, sabe todas as coisas e está em todos os lugares, às vezes tento me esconder dEle, como um menino que mexeu em algo de seu pai. Porque será que a fuga é a primeira idéia que surge à mente quando pecamos? Como Adão, tentamos cobrir nossa vergonha e falar com Deus sem que Ele veja o nosso rosto. Deus nos conhece pela voz e, por ela, sabe dizer quando as coisas não vão bem. Não há como esconder nada de Deus.

Nada foge do controle divino. Ele não impediu o nascimento de Caim; não fechou o útero que acalentaria a Ninrode; não cerrou a madre àquele Faraó que tanto fustigaria os israelitas; não tornou estéril a concepção de Herodes que mataria os inocentes, procurando assassinar o menino Jesus; não frustrou a geração de monstros como Nero, Stálin, Hitler, Mao Tsé-Tung e Pol Pot. Nada disso aconteceu sem que estivesse no controle dEle.

Nossas lágrimas, tristezas, angústias, sofrimentos, decepções, problemas, agruras, adversários, insanidade, aflições, escândalos, fraquezas, incapacidade, impaciência, lutas, nossos piores momentos, tudo está no controle de Deus!

Temos um Deus que nos compreende qualquer que for o caso, nos sonda e nos conhece...

Encontro Marcado

Antes de ser assunto aos céus, Jesus preparara o coração dos discípulos a respeito de sua ida de volta à casa do Pai. Meio confundidos na época, os discípulos não entendiam as palavras de seu Mestre.

Depois de três anos em companhia do Senhor Jesus, presenciando sua morte e sendo testemunhas oculares de sua ressurreição, Ele é coberto por nuvens e seres celestiais aparecem dizendo que o mesmo que foi visto subir será o mesmo que descerá um dia.

O ardor nos corações dos discípulos aumentara ainda mais quando viram que as palavras de Jesus se cumpriam na íntegra quando milagres, maravilhas e sinais se faziam por meio de suas mãos.

A alma das pregações, a conversa dos irmãos, e até as epístolas (principalmente as de Paulo), tudo era sobre a volta de Jesus. É por isso que, por maior que seja a tribulação que passemos aqui na Terra, não podemos perder a esperança de que Ele virá outra vez.

Porque depois de ter passado por tantas provas aqui na Terra, minha esperança não repousa em nada que é terreno. Descanso nas palavras de Jesus.

Talvez se Ele tivesse ido ao céu sem promessa de voltar, tudo bem; é muito glorioso lhe servir de qualquer forma. Se Ele jamais tivesse dito ou deixado qualquer coisa escrita pra mim, mas se soubesse que Ele existe, eu também ficaria feliz. Todavia, Ele fez muito mais que isso, prometeu vir me buscar.

Ele empenha-se em levar-nos ao lar e não delega esta incumbência a ninguém. Ele envia missionários para pregar a você, Ele manda anjos para proteger você, Ele prepara professores para guiar você, Ele usa cantores para inspirar você, mas não manda ninguém pra levar você.

“Eu voltarei e levarei você para casa”. Voltar para casa! Por mais que sejamos previdente em tudo o que terreno, não ficaremos aqui por muito tempo. Nosso inimigo pode nos perseguir até as portas do céu, mas jamais poderá adentrar. Deus não permitirá. Lá, a casa é de Deus. Um lugar de glória indizível onde as riquezas da terra não podem ser comparadas com aquilo que nos espera.

“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam”. Que será que eu ainda vi? De quê eu ainda não ouvi falar? E o que será que eu jamais desejei?... Meus pensamentos são vencidos de novo.

A eternidade com Deus porá fim de uma vez por todas com as dores dessa terra. Ele virá outra vez aqui...

Alegria na Dor

Por muito tempo relutei em aceitar a idéia de Deus ter planos nos nossos sofrimentos. Achei que fosse bobagem. Imaginei não ser possível tirar algo de bom de misérias.

Porque Deus escolheria um caminho tão árduo? Qual o seu propósito em nos conduzir a desertos tão áridos? Jamais consegui ver luz nessas trevas todas.

Até que li nas Escrituras sobre Israel, o povo escolhido por Deus para ser testemunha eterna de Sua grandeza, misericórdia e amor. Esse povo que, a partir de Abraão, teve uma história repleta de milagres, sacerdotes, profetas, juízes, reis, guerras, vitórias, esteve diversas vezes, por muitos anos, exilado como escravo.

O povo era incontável como a areia do mar, mas quebrou sua aliança com Deus. A aliança que incluía bênçãos do céu, da terra e de todos os lados. A aliança que guardava Israel dos seus inimigos. A aliança que proclamava o amor de Deus por aquele povo, às vezes, tão rebelde.

Cada profeta que houve em Israel não apenas mostrava a condição do povo que desobedecia a Deus, mas expunha também o coração de Deus, um coração que sofria vendo Sua aliança sendo esquecida e aos poucos apagada para sempre das gerações posteriores.

Deus sofria.

Deus sofria porque, apesar de ser Deus, Ele sabia que aquele momento era necessário para Israel entender de vez quem estava no controle. Deus sofria porque, Sua onisciência e onipotência que lhe são exclusivos, permitia-lhe contemplar toda a dor encerrando, levando o povo à cura da idolatria e perversidade para com Deus.

Dos profetas com essa visão, Jeremias é o que mais abre o coração de Deus ao povo. Depois de escrever suas profecias cheias de tristezas e experimentar diversos escárnios, tipificando o próprio Deus, ele detém seu olhar em algo de Deus que jamais terá fim. Sim, algo tão novo e tão intenso, que faz com que Deus jamais desista daqueles que um dia amou e aceitou.

“Suas misericórdias”, disse ele, “não têm fim; novas são a cada manhã”.

Israel desceu ao cativeiro e sofreu vários anos longe de sua terra, mas ao contrário do que muitos pensam, Deus estava com eles todo o tempo. Deus permitiu que muitas coisas horríveis acontecessem com Israel, mas prometeu esperança para sua volta.

Setenta anos depois o povo voltou, edificou a cidade e adorou a Senhor Deus. Como um pai se agracia em ver o filho voltando pra casa, Deus estava feliz de ter seus filhos, muitos filhos em casa, de novo, para sempre...

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Pra que temer?

Suportar provações é uma questão de tempo.

As desavenças vêm e não encontramos socorro algum aqui na Terra que possa dar sossego ao coração. Tudo foge. Todos fogem.

Nenhum amigo, nenhum ombro, nenhum ouvido, nenhuma palavra. Ninguém. Acho que a maior tristeza na vida de um homem é não ter alguém com quem conversar.

Foi assim com Jó. Num dia, era o homem mais respeitado de todo o Oriente. Com banquetes em sua casa, tinha muitos amigos e uma família grandiosa. Era muito rico... Num outro dia, perdeu tudo. Seus filhos e empregados morreram de uma só vez. Sobrou apenas sua mulher que, em meio ao desespero, acha que é melhor morrer.

Normal.

Anormal foi a atitude de Jó. Apesar de estar falido aos olhos de todos, se achava rico para com Deus. Reunindo forças como um tronco velho, Jó nos dá uma grande lição. Ele crê que para Deus, nunca é tarde demais, nada está perdido para sempre, nada é velho demais. Cada ato dEle mostra-nos a Sua misericórdia. Isso é exclusivo de Deus. Só Ele o faz.

Seja no extremo da abundância ou da escassez, da fama ou da obscuridade, da aceitação ou da rejeição, de ser amado ou de ser odiado, da segurança de um emprego ou insegurança do desemprego, de se sentir amado no casamento ou de ser rejeitado no divórcio, Deus nos sustenta em todos os aspectos, em todas as horas, em todos os lugares.

Mesmo no limite de tudo, Deus nos ama, e porque Ele nos ama, não nos deixará sem socorro. Mais uma vez minha mente me leva à Bíblia: “Minha graça é suficiente pra você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. O poder que vem na fraqueza. Um poder grande para meus recursos escassos.

Quanto mais ferido, melhor recompensado. O ouro brilha mais quando passa pelo fogo. Quando a noite chega e todos dormem, Ele encontra nesse tempo um espaço para trabalhar. Nunca pára.

Assim como eu creio no sol, mesmo quando ele não brilha; assim como eu creio no amor, mesmo quando ele não é demonstrado, eu creio em Deus, mesmo quando Ele fica em silêncio.

As tentações mostram minha vulnerabilidade e fraqueza. Quando reconheço minha real identidade perante Deus, Ele me fortalece e prepara. Sua graça me é suficiente. Com Ele, tenho um milagre diário para minhas necessidades.

Então, na próxima vez que se sentir sozinho, lembre-se disso: Deus é presente até mesmo quando ausente. Ele está com você o tempo todo e bem mais próximo que a roupa que veste o seu corpo.

Se as provações são o caminho que me conduz ao céu, quero seguir por ele. Não posso temer, não tenho o que temer...

Aprendendo Mais...

Durante toda a vida recebemos conselhos. Do berço ao túmulo eles ainda podem ser ouvidos. “Cale a boca!” “Por que você não cresce?” “Não faça isso!” “Não murmure!” “Isso não, isso sim”.

Ninguém vai negar que conselho é essencial para a vida. A Bíblia diz que “na multidão de conselhos, há sabedoria”. Eu creio nisso. E de todos os conselhos (não menosprezando os de Jesus), o de Paulo é o que mais me toca.

Ele terminara de falar sobre os dons espirituais, discursara sobre a unidade deles, descrevera sua diversidade e em seguida disse que havia um caminho melhor para alcançá-los, descrevendo, de forma única, o AMOR!

Melhor que qualquer outro, Paulo se concentra no amor para nos falar das coisas do céu. Ao contrário do que o mundo pensa, o coração que ama merece ser honrado.

Paulo ensina que, ainda que fale as línguas dos anjos e dos homens, tenha todos os dons, conheça todas as ciências, possua toda a fé, tenha compaixão dos miseráveis e que se entregue para ser um mártir, se não tiver amor... “seria como o metal que soa...” “como o sino que tine...” “nada seria...” “nada disso me aproveitaria...”

A primeira vez que li essas palavras, achei que Paulo estava sendo duro demais. Será que não vale a intenção? O fim não justifica os meios? Esse, como Paulo começa o parágrafo, é o caminho melhor: o caminho do Amor. O caminho que prefere sofrer ao invés de questionar, que continua crendo em meio à falta de fé, que tudo espera mesmo sendo tardia a esperança e que tudo suporta sem revidar à afronta. Esse é o melhor caminho.

Tenho de confessar que às vezes fui egoísta. Fiz por que queria ser elogiado, falei porque queria ser agradável, escondi porque queria ser amigo, neguei porque achei que só Deus e eu sabíamos. Quão falso fui! Mas quero tentar andar por esse caminho.

Como os discípulos rumo a Emaús, essas palavras hoje me ardem o coração. Quero seguir também com Ele nesse caminho que une Deus e humanos, o pecador e o seu remidor, que torna santo o profano e que considera todas as demais coisas falíveis... Tudo passa.

E, de eternidade a eternidade, assim como Deus é Deus para sempre, o amor será sempre o amor: permanente e maior que qualquer coisa. Deus é amor. É com Ele que eu quero seguir, até conhecê-lO assim como Ele me conhece, na trilha do amor...

Consagrando Tudo a Deus

Quando penso em Deus, seu primeiro retrato que me vem à mente é o de um Criador. É assim que Ele é adorado no Céu por todos os seres celestiais. E, como tal, jamais houve qualquer possibilidade de imitação por parte de Satanás.

Uma exaustiva pesquisa através de milhões de livros escritos no passado e no presente leva sempre à conclusão maravilhosa de que num princípio remoto, incontável para nós seres mortais, “criou Deus os céus e a terra”.

Com apenas algumas palavras, a Bíblia conta o princípio da revelação escrita do pensamento de Deus, descrevendo de modo majestoso a glória do Criador.

O Adversário tem desviado para si a atenção de milhões de criaturas e feito com que acreditem que é pai, amigo, mestre, senhor e rei, mas jamais conseguirá nos convencer de que exista outro criador além de Deus. Somente Deus é Criador. Deus, que tudo criou, é Soberano.

Cada detalhe da criação tem um propósito definido.

O próprio Deus é o Princípio, não em relação a Si Próprio, mas no que diz respeito ao Universo por Ele criado com superior perícia.

Deus criou os Céus e a Terra. Os céus manifestam a glória de Deus e a Terra anuncia Sua imensurável graça.

Deus criou todas as coisas. A Bíblia deixa claro que nada, senão Deus, existia antes da Criação. Sua Glória como Criador precisa ser mais bem apreciada, mais intensamente festejada e muito mais piedosamente adorada.

Deus poderia ter escolhido outros seres para adorá-lo, ter feito um outro planeta, com um montão de gente programadas só para amá-lo. Só que mais uma vez Ele pensou em mim. Fez tudo que existe aqui na Terra porque em seu imenso poder, conseguiu ver a mim. Tudo isso por minha causa.

Ele é o único que pode dizer que “todas as coisas foram feitas por Ele e sem Ele nada do que foi feito se fez”.

A natureza nos mostra Deus. O Céu nos diz o que Ele tem feito. E por incrível que pareça, mesmo estando conosco todos os dias, o ambiente do pecado não o macula, a história não o refreia e a rotina do dia não o cansa.

Deus, em Sua grandeza e graça, aprecia a devoção dos seus filhos, mas nenhuma é grande demais pra Ele. Ele se contenta “apenas com tudo”, mas jamais desprezará um coração humilhado. Ele, que fez o universo de grandeza nos mínimos detalhes, fez a mim também e eu a Ele celebro, de todo o meu coração, sem pensar em mais nada, só nEle, consagrando tudo o que sou...

Conhecer-te...

Conhecer pessoas faz parte da vida. Isso é muito natural.

Têm umas que passam sem causar efeito algum e outras que alteram completamente o viver. Daí, não dá pra continuar sem elas. Famílias que se alteram, amigos que vêm e vão e a nossa vida está sempre mudando. Mais pessoas e menos pessoas. Sempre foi assim. Até que conheci Jesus.

Diferente de tudo que eu já havia experimentado. Novo como o dia de amanhã e mais intenso que o calor do meio-dia. Não me lembro onde estava quando nos falamos pela primeira vez. Acho que não é importante dizer aqui. Mas sei descrever o que senti. Seu amor em mim foi como despertar de anos de pesadelo e descobrir que nada havia me ocorrido. Não dá pra descrever o seu amor.

Ouvi falar de pessoas que tentaram. Descreveram o seu amor como sendo de “tal maneira” por não conseguirem ver o fim dele. Compararam com riquezas, dons especiais, sabedoria e um outro monte de coisas, mas nem assim o seu amor pôde ser igualado. É único e indizível. Não só pra mim, mas para todos os que aceitam o seu sacrifício. Sacrifício que ninguém jamais viu igual.

Assim como um dedal não pode conter o oceano, meras palavras jamais conseguirão descrever esse amor. Junto dEle me vi cercado, protegido, perseguido por um maravilhoso elo de amor. Sim, essa é a nota que toca agora: E-L-O! Uma ligação tão forte que agora não sei (não é que eu não consigo), realmente não sei viver sem o seu amor.

Amor que me contagia, que me inunda, que me perfaz o caminho a Deus, que me convence e que me constrange. Constrange... Por que será que Deus me ama tanto? O que tem em mim que deixa Deus tão apaixonado? (Hoje eu posso dizer isso!) Por que me escolheu? Ele, apesar de minhas faltas, me alvejou. Quando tento responder, não consigo. Quando tento entender, meus pensamentos são vencidos e fico como estou agora... Sem palavras. Como diz um outro poeta: “Oh! Por que Jesus me ama? Eu não posso te explicar!”

Não posso deixar de pensar nEle, falar dEle e se me faltar alguém pra compartilhar dEle, vou falar com Ele sozinho. Eu e Ele. Assim como Ele não pôde resistir em me oferecer a sua salvação, agora não consigo viver sem o seu amor.

Te conhecer foi muito bom pra mim...

domingo, 2 de setembro de 2007

Final de Semana Diferente!

Final de semana de novo.
Uma semana inteira de trabalho e amanhã e depois estaremos nos reservando pra Deus.
É por isso que o nosso fim de semana é especial.
O tempo é exclusivamente pra Deus.
É pra ser assim.
Deus espera que seja assim.
Durante cinco dias trabalhamos para nós, nosso sustento, nossa casa, nossa família, cuidamos das coisas para o corpo e nosso ego.
Mas, no fim de semana, cuidamos das coisas pra Deus.
Nossa alma, nosso espírito, nossa comunhão, um lugar no céu.
Vamos torcer pra que esse final de semana seja diferente.
Lembre-se: Esses dias são exclusivamente para Deus.
Só pra Ele.
E agora sim: Tenha um excelente final de semana.
Com Deus.
Um forte abraço.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Deus não pára!

Final do dia.
Meu coração está frio, cheio de ansiedades, preocupações, desejos e um pouco de dor de cabeça. Meus pensamentos não param de girar entre planos, trabalho, dívidas e outras coisas mais.
Mas meu coração está tranquilo. Repousa numa esperança que não é aqui da terra. Está baseada naquilo que não posso ver, mas tenho certeza de que é a mais pura verdade: Deus está me olhando e age por mim!

Ele não pára quando eu durmo.
Não tira cochilo.
Não tosqueneja.
Não tira férias.
Não tem horário de almoço.
Não tem licença premium.
Não viaja.
Posso passar dias sem pensar nEle, mas Ele não me esquece um segundo sequer. Minhas preocupações são muitas, mas o Pai do céu descansa em cada uma delas.
Ele traz à existência aquilo que não existe.
Resolve o impossível.
Transforma o velho em novo.
Cura o desenganado.
Dá novo rumo aos perdidos.
Purifica o maculado.

Mas dê um tempo pra Ele também. Ele precisa...
Para nos mostrar a sua glória...
Para mostrar a nossa total dependência dEle em todos os sentidos...
Para mostrar que apesar de nossos problemas serem insolúveis, Ele continua agindo...
Para nos provar o seu amor, que tem o tempo como principal aliado...
Para nos mostrar que a paz dEle excede todo entendimento...
Para nos mostrar que a comunhão com Ele nos repousar mesmo quando o nosso mundo está destruído...
Para provar que suas palavras não falham, mesmo quando Ele fica em silêncio...

E aí, quando a gente pára pra pensar nisso, Deus continua sendo Deus.
Só Ele e mais ninguém com Ele, nem em cima, nem em baixo. Ele nem precisa olhar pra cima. Não há nada maior que Ele.
Ele é Deus e não menos que isso. Absoluto, Imutável, Exaltado, Soberano, Majestoso, Venerado, Adorado, Rei, Senhor, Glorioso, Centro de todas as coisas.

Pense nos montes mais altos; empilhe todos eles e Ele continuará sendo maior.
Pense nas profundezas mais abissais; nem uma delas é ignorada por Ele.
Pense nas maiores riquezas; Ele dá de gorjeta aquilo que nós gastamos uma vida para ter.
Pense nas pessoas famosas, ricas, abastadas; elas se foram, empobreceram, morreram, mas Deus continua sendo o mesmo desde o princípio das eras.
Não envelhece, não altera, não muda.

As árvores nascem, crescem, murcham e morrem. Mas Deus não. Permanece o mesmo. Ele, que plantou cada árvore no mundo, já as viu morrer, mas não se abalou. Ele plantou várias delas de novo. Creio que Deus faz isso com a gente também. Quando vê que nossas esperanças, planos e sonhos estão morrendo, Ele planta cada umas delas de novo, de novo, de novo... Infinitas vezes.

Suas esperanças estão morrendo? Adivinhe o que Deus está fazendo agora? Plantando de novo. Deus não pára.

Descansemos nEle.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Deus... Meu Herói!

Ele é o meu Herói. Herói de verdade. Na sua Palavra está escrito: "Outrora, falaste em visão aos teus santos e disseste: A um herói concedi o poder de socorrer; do meu povo, exaltei a um escolhido" (Sl 89.19). Quando criança, eu gostava de assistir a todos os desenhos animados e o Superman era o que mais me impolgava. A força que tinha, sua visão raio-x, a super-audição, sua invulnerabilidade, estava sempre nos lugares onde havia problemas. Era o poder que qualquer um queria ter. Mas, assim como todos os outros heróis, ele tinha fraqueza: o criptonita lhe enfraquecia completamente. Sempre vencia, mas com muta dificuldade.

Depois, quando assistia esses desenhos, eu pensava em Deus. E pensava em mim também. Como seria bom se eu tivesse super poderes, muita força, pudesse assim como o Superman, enxergar as coisas por dentro, sem ser notado. Talvez sofresse menos, fosse menos quem eu sou hoje. Eu não tenho os poderes de nenhum herói, mas tenho um particular. Muito diferente de todos os heróis, em tudo...

Como o Superman, Ele tem uma super força. Olhe os altos montes, as bacias, os cânions, os mares, todos eles foram feitos pela sua grande mão. Pra Ele, nada é duro demais, ou impenetrável. Sua palavra diz que pela força de seu poder, todas as coisas existem e se mantêm. Conhece alguém mais forte?

Como o Superman, Ele tem uma super-visão. Dos altos céus contempla os fiéis na Terra. Não há lugar algum que sua visão não nos alcance. Se subir ao céu, ali Ele estará (Ele mora lá). Se descer às profundezas da Terra, nem ali lhe somos ocultos. E não tem segredo algum que Ele não descubra. Ele perscruta o nosso interior, sempre levando em conta de que somos pó.

Como o Superman, Ele está sempre pronto a atender aqueles que precisam de socorro. Mas o seu socorro é muito mais provedor. Ele tem poder de fazer chover, parar o sol, contar as estrelas e nomeá-las uma por uma, sutentar o universo inteiro e colocar marcos na natureza para que as coisas acontecem sempre como foram desde o começo. É o nosso designer inteligente e o criador de todas as coisas. Nada existe sem que Ele tenha feito ou permitido existir.

O Superman tem muitas coisas parecidas com Deus. Parecidas...

Diferente do Superman, Deus não fica indeciso em atender mais rápido as pessoas que ama. Ele faz nascer o sol sobre o justo e o injusto. Suas misericórdias se estendem de geração em geração.

Diferente do Superman, Deus não se perde pelo meio do caminho. Chega em qualquer lugar antes de ser chamado. Ele ouve o coração e é por ele que vê cada um de nós.

Diferente do Superman, Deus não precisa de disfarce para estar entre nós. Ele escolheu morar conosco. Cada casa na Terra pode ser a Casa de Deus. Emanuel: Deus entre nós e por nós.

Diferente do Superman, Deus está em todos os lugares ao mesmo tempo. Nossa mente não pode isso compreender, mas se satisfaz em tentar. Ele preferiu ficar conosco todos os dias até a consumação dos séculos.

Diferente do Superman, Ele não tem fraqueza. Nunca terminou uma batalha sem fôlego e nunca venceu uma guerra apertado. Nunca "quase perdeu". Nenhuma arma é párea para Ele. Ele nos surpreende pela sua grandeza, poder, majestade, soberania. Não existe criptonita que lhe tire as forças. O passado não lhe afeta porque "de eternidade a eternidade, Ele é Deus". Sempre foi e sempre será o nosso amigo de sempre. Só Ele pode dizer: "Eu Sou e mais menhum comigo. Eu mato e eu faço viver. Eu firo e eu saro. Antes que houvesse dia, Eu era; e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos; agindo Eu, quem impedirá?"

Aí, Ele nos dá a diz algo que nem o Superman diria ou faria: "Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti" (Is 43.2). Notou a grandeza que só Ele tem?

É nEle que eu quero estar e todos os dias depender, confiar e esperar. Deus... meu grande Herói.

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Somos Um, Somos Amigos!

Amigos. Todos são eles são especiais. Preenchem algo. Dizem algo. Em cada ato, um toque de graça. Únicos. Exclusivos. Foi por isso que resolvi dedicar um pouco desse espaço a eles. Adultos, jovens, crianças (a maioria deles). A graça que comunicam a mim é que faz a diferença. Toda a diferença.

Obrigado pelo que têm sido a mim. Dedico a vocês um poema que vi, li e gostei.
Um forte abraço a todos.

*******
Amigo é...
Aquela pessoa que o tempo não apaga, que a distância não esquece, que a maldade não destrói.

É um sentimento que vem de longe, que ganha lugar no seu coração e você não substitui por nada.

É alguém que você sente presente mesmo quando está longe. Que vem para o seu lado quando você está sozinho e nunca nega um sentimento sincero.

Ser amigo não é coisa de um dia, são atos, palavras e atitudes que se solidificam no tempo e não se apagam mais. Que ficam para sempre como tudo o que é feito com o coração partido.

Aos meus amigos...

sexta-feira, 20 de julho de 2007

Tudo Novo!

Hoje o dia é novo. Outra vez.
Tudo é novo. De novo.
Tanto tempo sendo crente e hoje vim me despertar pra isso.
Hoje pra mim tudo é novo.
Não posso me esquecer que hoje é o amanhã que eu esperava ontem.
E, às vezes, quenado ele chega, a gente nem espera mais com tanta entusiasmo. Esquecemos disso também.
Novo dia. Aquele mesmo que esperamos ontem até hoje e já não é mais.
Nova chance. A dádiva de Deus para nossa vida de canseira.
Novo despertar. Quem garantiu o nosso sono tranquilo merece esse mérito.
Nova graça. Seu toque de amor para cada desespero de nossa alma.
Novo amor. Seu antídoto que lança fora todo medo.
Novo abraço. A forma que Deus criou para que considerássemos os outros importantes.
Novo jeito. Uma dependência de Deus acima do normal. DEle, por Ele e para Ele.
Nova visão. Antes, o copo estava quase seco. Hoje, está quase cheio.
Novo sentimento. Obras da carne dão lugar ao Fruto do Espírito.
Nova unção. A mesma que Ele deixou, mas recebida na hora certa, fez toda a diferença.
Novo poder. Vindo de Deus, na vida com Deus, para a glória de Deus. Tudo é dEle mesmo!
Nova espiritualidade. Cabeça curvada, joelhos dobrados e espírito pronto. I'm here, Lord!
Nova comunhão. Sou um pecador. Deus é o meu Pai. Sou amado por Ele e ninguém me tira isso.
Ele mesmo disse: "Eis que faço novas todas as coisas".
Tenho de crer nessa palavra.
Tenho de esperar nessa promessa.
Mas tenho de correr atrás dessa vitória.
Ele faz tudo novo e eu não posso ser velho.
Acho que era isso que Paulo tentava explicar quando dizia:Esqueço das coisas passadas e avanço para as que estão diante de mim". Estou entendendo melhor isso hoje.. Acho que é isso que Deus quer de mim.

Não há nada feito se Deus assim não fez e não quis. Tudo veio dEle e volta pra Ele. É pra isso que vivemos. Deus seja louvado em nós.

terça-feira, 3 de julho de 2007

No Tempo dEle!

Desde a semana passada estou vivendo uma nova fase. Tive tantos projetos, mas não consegui realizar nenhum em nenhum lugar. Até hoje...
Acho que chegou o tempo de Deus pra mim. Sei que sou amado por Ele e que tem abençoado cada passo que tenho dado, mas faltava algo visível. Até hoje...
Sinto que dentro de mim há algo novo, uma alegria que eu não consigo parar de viver e sentir. Tudo é novo. Já fui bastante humilhado, deixado de lado e esquecido. Mas o Senhor me agraciou com novos amigos e uma linda mulher, que me entende e torce por mim. Crê e ora por mim.
Recebi de Deus uma nova graça, uma nova unção, um novo poder, um novo modo de ver as coisas, uma nova chance pra acertar. Dessa vez não quero errar nem decepcionar ninguém. Amo o Senhor!

Bem sei que não pereço ante às dores que tentam me abater
Pois, não me esqueço do grande amor, da salvação que meu Jesus me outorgou
São, são tantas lutas que eu, às vezes, chego a chorar
Mas, uma doce voz me diz assim: “O teu clamor, meu servo, já é chegado a mim”

Cristo me faz viver
A sua compaixão me anima e me traz prazer de vida
Mesmo que a dor consiga minh’alma ferir
Sei que o amor de Jesus há de minha vida suster
Pois, Cristo é quem me faz viver

Eu vou bem confiante
Sei que ao meu lado está quem tem poder
Quem me sustenta em Suas mãos
E não me deixa enveredar por caminhos vãos

(Álvaro Tito)

terça-feira, 19 de junho de 2007

Mudanças...

Não é fácil mudar. Provocar mudanças, mais difícil ainda.
Algumas são necessárias, outras são apenas desejos de uma personalidade egoísta. Até isso é difícil afirmar, mas talvez eu tenha agido assim. Querendo ter tudo certinho, acabei sendo tentado a deixar as pessoas parecidas comigo. Não sou perfeito, mas gosto de cumprir compromissos. Não cumpro todos, mas, por Deus, eu tento de todas as formas. E já mudei demais por causa das pessoas.
Mudei...
O corte de cabelo (ficava tão careca que não precisava cortar por um mês),
A cor da camisa (um dia me disseram que a cor vermelha me deixava como o mascote do flamengo),
O estilo das roupas (antes, só social, em todos os lugares),
O relógio do braço (sem comentários, tinha vergonha de usá-los),
Os sapatos (um amigo me disse que os cadarços demonstravam estabilidade no homem; segui o seu conselho),
As preferências (tenho minha própria opinião acerca de muitas coisas, mas nem todas são cem por cento aceitáveis e certas),
A expressão (durante muito tempo fui grosso e não aceitava opinião de ninguém acerca de nada, até que um amigo teve coragem de dizer-me que precisava mudar; tenho me esforçado para cumprir esse desejo),
O tom da voz ( falava tão alto que as pessoas se afastavam de mim; um outro amigo chamou-me a atenção na frente de um bocado de gente, quase morri, mas valeu a lição. Fiquei moderado),
Já mudei muito por causa das pessoas, mas dificilmente provoco isso nas pessoas. Esse final de semana sofri muito com isso. A quebra de compromisso, o desfazer das palavras, a mudança de atitude por causa da raiva do momento, tudo isso me deixou muito confuso sobre o que realmente eu quero pra mim. Alguém me disse que, às vezes, o que é bom pra mim, nem sempre é bom para os outros. Acho que isso é verdade. Esforcei-me pra fazer várias cópias de mim; não consegui nem vou conseguir. Chega, cansei. Já me intrometi demais, falei demais.
Quero aceitar as pessoas como elas são. Deixar que elas se comportem como querem. Se quebrarem seus compromissos, quero não ligar. Se desfizerem de suas palavras, quero não me importar, e se em momento de raiva disserem coisas que machucam, quero considerar que estão apenas com raiva e que têm esse direito. Não quero mais sair machucado de nenhuma discussão. Quero me esforçar pra isso. Vou lutar pra ser assim. Agora...
Quero tentar!

domingo, 17 de junho de 2007

Final de Semana sem os Amigos!

Vocês podem não acreditar, mas os meus amigos me fazem muita falta. Alguns estão viajando de férias (Carlos e Cíntia) e outros (deixe-me ver se lembro de todos os nomes) foram a um congresso de jovens no interior do Estado (Rafael, Yasmin, Juliana, Junior, Jonas, Carmelo, Suelen, Jackline, Vitória, Paulinho, Raquel, Priscila, Pr. ABC, Ruthlene, Rose). Senti muito a falta deles na manhã de domingo. Estou acostumado a tê-los me ouvindo na EBD, mas tudo bem. Tenho certeza de que, onde quer estejam, estão muito bem. Estou até vendo a cara do Rafael dizendo que faço drama, mas não é isso não. Eles já marcaram a minha vida e cada um deles tem um espaço reservado bem grandão no meu coração.

Amigos, esse final de semana foi marcante e muito cumprido. Não estou completo sem vocês.
Voltem logo.

Orei por vocês!

Um forte abraço.

sábado, 16 de junho de 2007

Dia de Receber Benção?

Com tantos modismos e interpolações teológicas que têm surgido, achei-me induzido a escrever algo sobre isso. Depois de muitas barbaridades, a última em nossas igrejas são os cultos com nomes: “segunda do milagre”, “terça profética”, “quarta da bênção”, “quinta da vitória”, “sexta da libertação”, e por aí vai. É difícil tratar de um assunto tão complicado como este sem perder o foco que é Cristo ou não contrariar a si mesmo. Por isso prefiro questionar ao invés de simplesmente expor a minha opinião. Não quero convencer ninguém com meus comentários; quero refletir. Não sou contra as realizações de campanhas de oração, jejuns ou dias de proibição.

Absolutamente não. Grito alto contra os abusos doutrinários e da fé que existem nesses movimentos. Não é errado a Igreja ter dias específicos para oração, jejum ou abstenção de desejos puramente carnais; isso é bíblico. É errado acreditar e ensinar que Deus só atende nessas condições.

Creio que em meio a tudo isso há crentes verdadeiros que, de fato, dedicam-se à piedade cristã singularmente e têm comunhão com Deus de verdade, mas que também, entre estes, em maior número, há pessoas egoístas, falsas, supersticiosas, com crendices, persuasivas e que, sutilmente, induzem muitos fiéis a extravagâncias espirituais que, de acordo com a Bíblia, é fogo estranho.

Todo motivo que nos impulsione a irmos à Igreja alheio a Cristo, deve ser reprovado. Não podemos fazer barganha com Deus. Não podemos ser crentes em troca das bênçãos que Deus tem a dar. Não pode haver adoração corporal sem adoração verbal. Não há santificação sem arrependimento. Não precisamos de nova unção, nova liturgia, novas fórmulas e de tantas outras coisas novas que têm surgido. Precisamos de devoção, contrição, arrependimento, confissão de pecados conhecidos, e aí sim, quando isso for real em nós, o avivamento bíblico ocorrerá e experimentaremos o que Deus tem reservado para os nossos dias. Tudo depende de quanto há de verdade em nós.

QUESTÃO 1: O NÚMERO 7 (SETE)

É um número perfeito? Existe número perfeito? Quando um número é perfeito? Se existe número perfeito, qual número é imperfeito? Por que sete seria o número de Deus? Deus tem número? Deus precisa de número? Se Deus tem número, por que há tanta diversidade deles nas páginas sagradas como: vinte e quatro anciãos, doze apóstolos, setenta discípulos divididos de dois em dois, dois querubins, etc? Não há perfeição nisso? Não é Deus quem torna perfeito e santo aquilo que faz? Se alguma obra não tiver o número sete envolvido, pode ser considerada imperfeita? É ordem de Deus fazer sete vezes cada requisito? Se a mesma oração pode ser feita sete vezes, porque Deus não ouviria as rezas? Deus só atende depois da sétima vez? Quem determina a hora que devemos cessar de orar com propósitos? Se Deus não atendeu, não seria prova suficiente de que estamos orando contra a Sua vontade? Não é promessa dEle atender toda oração feita em nome de Jesus de acordo com a Sua vontade? Tem algum sentido profético espirrar sete vezes, cantar sete hinos, orar sete dias ou congregar sete cultos? Se o número sete tem sentido profético ou é perfeito, quem nasceu dia sete de julho (mês sete) de setenta e sete, às sete horas e sete minutos é mais abençoado que qualquer outro? E esse material com sete questões? (me desculpe pelo sarcasmo).

QUESTÃO 2: PESSOAS AUTO-ACLAMADAS COM DONS ESPIRITUAIS

O que são dons espirituais? Quem administra-os? Quem entrega-os? Alguém pode dizer que “tem” dons? Naquele que é manifesto os dons uma vez, torna-se dono dele? O dom pode ser nosso ou sempre é de Deus? Não é “o Espírito que distribui os dons particularmente a cada um como quer para o que for útil” (1Co 12.11)? Não é propósito dos dons servir para edificação da Igreja? É certo alguém dizer que é “usado” por Deus com dons espirituais, sendo que a expressão nunca aparece nas Escrituras? Somos “fantoches” nas mãos de Deus? Se alguém diz ter algum dom, por que ainda precisa usar o nome de Deus? Por que não usa o seu próprio nome? Para que os dons espirituais sejam manifestos, é necessário fazer invocação? Se é necessário, que diferença há dos centros espíritas? Pra que fazer jejuns prolongados se Jesus recomendou isso uma única vez? Se não estivermos em jejum, não podemos orar por algum enfermo? Deus só se revela às pessoas que jejuam? E a Palavra de Deus não é mais uma revelação? Que vale mais: auto-comiseração ou auto-exaltação? Deus precisa de pessoas mais fortes do que Ele? Soberba ainda é pecado ou agora é virtude?

QUESTÃO 3: OUTRO EVANGELHO

Onde estão o amor e o zelo pela Palavra de Deus? Será que estamos com medo de pregar somente a Palavra sem recheios triunfalistas? Ela não tem efeito por si mesma? Por que não pregamos mais os temas relacionados ao perdão, graça, misericórdia, pecado, sofrimento, arrependimento, confissão, inferno, morte, lei da semeadura, etc? Por que abandonamos as mensagens de João Batista? Que fizemos com o Sermão da Montanha proferido pelo próprio Senhor Jesus? Por que preferimos temas relacionados a vitórias e conquistas, se foi dito por Jesus que teríamos aflições? Não foi Pedro que disse que os sofrimentos de Cristo refletem também a sua glória? Cadê a piedade cristã? Se sofrimento é maldição hereditária, glorificação também é herança? Por que escolher um dia para Deus falar conosco, se temos a promessa de tê-lo sempre?

QUESTÃO 4: PERDA DA VERDADEIRA ESPIRITUALIDADE

Como definimos espiritualidade? Quem é o meu alvo espiritual? Espiritualidade não é uma aspiração natural da alma do regenerado? Não é a compreensão de um Absoluto chamado Jesus? Não é uma postura assumida na vida do cristão? Não é a compreensão correta dos atributos de Deus? Espiritualidade pode ser medida? É algo visível? É algum requisito para recebermos algo de Deus? Deus ama mais quem é mais espiritual? Será que isso não torna o amor de Deus condicional? Será que podemos agradar ao Senhor? Não é Cristo que nos torna agradáveis a Deus? Se podemos agradar a Deus por nós mesmos, ainda precisamos de Jesus? A espiritualidade é verdadeira quando usada para fins egoístas? E o que dizer daqueles que intitulam-se “grandes servos”? Em que situação um servo é grande? E o fruto do Espírito onde fica? Suas virtudes são dispensáveis? O amor deixou de ser fruto excelente? A benção de Deus está condicionada a critérios? Qual base pra isso?

QUESTÃO 5: DEUS FORA DO TRONO

Por que nossas orações não são mais feitas em nome de Jesus? Por que nossas orações não mais humildes? Por que agora escolhemos “decretar”, “declarar”, “determinar” ao invés de “pedir”, “rogar”, “suplicar”, “clamar”? Será que Deus precisa ser “mandado” pra fazer algo por nós? Jesus não disse que Ele sabe de tudo antes de Lhe contarmos? Temos a imagem de um Deus soberano ou de um súdito? Deus é patrão ou nosso empregado? Deus é Senhor ou senhoreado? Por que pedimos algo a Deus como se fosse nosso “empregado” esperando receber como se fosse de um “rei”? Empregados dão presentes grandes? Por que dizemos tanto “por favor” (quando dizemos) e tão pouco “obrigado”? Será que o coração agradecido perdeu o valor? Se Deus não for adorado, há alterações em Seu caráter, ou em Seu poder, ou em Sua glória, ou em Sua personalidade? Deus fica “mais poderoso” quando o adoramos e “menos” quando não o fazemos?

QUESTÃO 6: CONFUSÃO ENTRE FÉ E CONFISSÃO POSITIVA

Qual a relação entre a palavra proferida e a fé? Fé é firmamento ou uma força ou substância (King James Version)? As palavras têm realmente poder? Por que nem sempre temos tudo o que queremos ou dizemos? Por que preferimos um evangelho que mais se parece com espiritismo? Quando agimos assim, que diferença temos dos seguidores da Seicho-No-Iê? Será que João Batista faria tanto sucesso quanto Lair Ribeiro hoje em dia? Por que preferimos uma fé reduzida a fórmulas? Por que negamos a existência do mal ao invés de vê-lo como instrumento de Deus para nosso aperfeiçoamento? Por que negar a dor se ela é um dispositivo divino? Que dizer de Jó? Seu sofrimento não tinha propósitos sobrenaturais e futuros? Não era Deus por trás de cada ação? Por que ficamos com um evangelho de facilidades e que massageia nosso ego mesmo crendo que recebemos um evangelho de cruz e sofrimento?

QUESTÃO 7: ABUSOS DOUTRINÁRIOS

Por que não pregamos somente aquilo que a Bíblia diz a respeito das doutrinas básicas? Será que não conseguimos sustentar nossas convicções usando somente a Bíblia? Que fizemos dos princípios de interpretação bíblica? O que tem mais ênfase e autoridade em nossas pregações: a Bíblia ou as experiências pessoais? Que fizemos dos auxílios espirituais como “iluminação” e “revelação”? Por que não dependemos mais do Espírito para uma interpretação sadia da Palavra de Deus? Por que aceitamos tão facilmente novas revelações, sendo que a Bíblia diz para ficarmos com aquilo que temos recebido desde o princípio? Por que não aplicamos o ensino bíblico a nossas vidas? Por que não desenvolver uma ética social cristã baseada somente na Bíblia? Será que estamos crescendo em nossa fé? É Cristo o Senhor de nossas vidas, ou estamos vivendo para nós mesmos? Que equilíbrio há entre doutrina e prática em nossa vida? Por que cremos mais nas palavras de um pregador famoso do que na Bíblia que mora em nossa casa? Estamos centralizados na Bíblia ou num líder eclesiástico?

Se alguém me perguntar: “Você se considera espiritual?”, responderei, sem pestanejar: “Tenho espiritualidade, mas ela é deficiente. Precisa melhorar muito”. E se me perguntarem: “Se você não é modelo, por que escrever algo questionando espiritualidade?”. Bem, eu não quero ser modelo. Modelo é alguém que não precisa melhorar, e eu preciso melhorar em muito. Meu questionamento aqui não é do tipo “Façam que vai dar certo”. É mais na linha: “Estou querendo ser melhor e pretendo caminhar nesta direção que aqui aponto”. Todos podem ajudar orando pelas nossas Igrejas.

A vida cristã não consiste em críticas à vida alheia, mas em apoio mútuo. Se crescermos em espiritualidade, o reino de Deus será beneficiado. O Evangelho de Cristo se caracteriza pela simplicidade. Toda complicação deve ser rejeitada. Quando o âmago da fé cristã está em perigo, medidas radicais tornam-se necessárias.

Mais Tempo para Deus!

As emissoras de televisão têm exibido há alguns anos programações que têm causado muita polêmica por todo o Brasil com conteúdo altamente erótico e temas fortes para um horário onde crianças ainda estão em frente à TV.

Isso tem assustado muita gente nos últimos tempos. Mídia de entretenimento virou instrumento do mal para nossas vidas, e aquilo que antigamente era apenas passatempo para a noite, tem vindo carregado de mensagens que transformaram gerações e mudaram opiniões de pessoas mais velhas. Ainda assim, creio que tem jeito.

Nossos televisores têm controles. Os canais são ativados pelo pressionar de nossos dedos. Nós decidimos o que queremos assistir. Talvez mais tempo pra Deus nos afaste de programações tão perversas como as novelas. Temor a Deus ainda é o melhor remédio. Não vou negar que algumas sento-me em frente à televisão e assisto muitas programações, incluindo as novelas. Não sei, mas talvez seja uma fraqueza. Como disse um antigo escritor: “Deus pede conta do meu tempo, mas como dar conta, eu que sem conta, gastei o meu tempo?” Deus nos aconselha a lembrar dele em todas as horas: “Dela falarás assentado à mesa, no caminho, ao deitar e levantar” (Dt 6).

Cada comercial, novela, filmes, seriados, desenhos, tem servido de bombas para muitas famílias em todas as áreas. O inimigo de nossas não tem medido espaço para agir. Isso, às vezes, no intimida um pouco. Só não desistimos por que não estamos sozinhos. Temos ao nosso lado um Deus valente e que nunca vence apertado.

Mas, quão falhos somos nós! Deus pede todo nosso tempo e reservamos apenas uma porção dele. Ele nos intima a amá-lo e fazemos disso um joguinho, como se pudéssemos comprar o amor do Salvador ou agradá-lo com algo. É certo pensar quanto tempo gastamos do nosso tempo com o Senhor, de verdade, com algo que O fizesse brilhar mais em nós. Não há edificação alguma em qualquer programação televisiva que não tenha Cristo Jesus como centro. À parte de Deus, nada edifica. N-A-D-A!

Preocupa-me os passos que temos tomados nesses dias. Deus procura por aqueles que reservem tempo em todo tempo para Ele. Qualquer vida só prospera se tiver como centro o Senhor. Não estou aqui pra calar a boca de ninguém e sim, considerar (conferindo Escritura com Escritura). Gosto muito de um texto bíblico que diz: “O que come carne não condene quem come legume... Quem está em pé veja que não caia”. É maravilhoso quando, de fato, aprendemos que não somos donos da verdade em sentido algum (até que a Bíblia diga). Perto da Bíblia nossa voz não precisa ser ouvida.

Traduzindo em miúdos, sempre teremos pessoas que não conseguem servir a Deus tendo uma televisão em casa e existem casos mais sérios de pessoas que vêem o diabo em tudo. Temos que considerar as obras da carne. O diabo pode induzir à tentação, mas não pode me fazer ceder. Se uma televisão me impede de servir a Deus, amém, mas que eu não condene prática alguma do irmão alheio. A vida cristã não consiste em críticas à vida alheia.

É interessante observar a maneira que nos comportamos e até a opinião que damos quando o assunto é tirar mais tempo pra Deus. Li há um tempo atrás a história de um garoto que fez uma oração a Deus pedindo que o transformasse num televisor. Na oração, ele dizia: “Senhor, me transforme numa televisão, para que o meu pai nunca se ache cansado para me dar atenção. Assim como a televisão faz todos se aninharem na sala, eu também quero ser motivo de reunião. Quero poder, como a televisão, prender a atenção de todos por muitas horas. Senhor, faz de mim uma televisão”.

Quando falo de tempo, falo de primazia. A vida dos judeus era regida tendo Deus como alvo. O corte de cabelo, as roupas, os filhos, os sacrifícios diários, as festas, os dízimos, os umbrais das portas – em tudo isso, havia lembranças de que Deus era o centro.

Não estou condenando programação alguma. Grito alto contra o que é permissivo, devasso e imoral. Todos vão concordar que isso deve ser rejeitado. Deus não é um vovó de coração, não é um pai ausente, nem gênio da lâmpada. Ele é Deus e pedirá conta da mordomia do nosso tempo. E sinceramente, espero que Ele se agrade do tempo que temos lhe dado.

NEle, que ouve-nos qualquer que seja o caso.

De Olho na Nossa Espiritualidade.

Tenho ouvido inúmeras opiniões sobre espiritualidade, mas não sei se todas se encaixam exatamente com aquilo que a Bíblia diz. Espiritualidade não é algo visível nem pode ser medida. Não temos nenhum indicativo disso na Bíblia. O que creio é que cada um deve ter sensibilidade para crer ou não em sua espiritualidade. Comparações devem passar bem longe. Minha espiritualidade nunca deve estar baseada na dos outros. Ser espiritual é uma postura incondicional. Sou ou não espiritual. Não existem meios termos.
Ser espiritual é viver segundo a Bíblia. Qualquer regra à parte disso deve ser desprezada. É difícil apontar o dedo e dizer que alguém não é espiritual. Acredito que nem munido de todos os recursos humanos, ninguém, em sã consciência, é capaz de fazê-lo. Para que alguém julgue espiritualidade alheia, mesmo que essa seja falsa, é necessário ter, primeiramente, muito conhecimento bíblico. A Bíblia é nossa regra suprema em assuntos desse bojo. Acredito também que é necessário pedirmos a Deus que manifeste seus dons espirituais para não sermos confundidos por qualquer um que diga estar falando em nome de Deus.
O exterior nem sempre revela o interior. Boa conduta nem sempre é sinal de caráter cristão. Tem muita gente de bem e não tem espiritualidade nenhuma. Aquilo que não vem de Deus e é bom em alguém é chamado de virtude. Quando vem de Deus (e é bom que se diga isso, pois ninguém pode produzir o fruto do Espírito por vontade ou esforço próprio) todo o mérito é dEle. Há muitos que expressam espiritualidade apenas nas coisas visíveis. Como disse anteriormente, esse julgamento não é fácil e nem é pra qualquer um. Fundamento bíblico é mais que importante nesse caso; é vital.
Choro ante as negações sutis que alguns fazem ao nome de Cristo não apenas diante do mundo, mas a si mesmo. Quando não amo a Deus verdadeiramente, minha espiritualidade é falsa. Se a visão que tenho do pecado é diferente da que Deus tem, minha espiritualidade é falsa. Quando me esqueço que Deus é Onipresente e vê todas as coisas, minha espiritualidade é falsa.
A vida cristã não consiste em críticas alheias. Ninguém possui esse mérito. Mas quando o âmago da fé cristã é ameaçado, medidas radicais tornam-se necessárias. Quero muito definir o que é espiritualidade. Mas, antes disso, quem é o meu alvo espiritual? Espiritualidade é uma aspiração natural da alma do regenerado. É a compreensão de um Absoluto chamado Jesus. É uma postura assumida na vida do cristão. É a compreensão correta dos atributos de Deus. Espiritualidade não pode ser medida, nem é algo visível. Não é requisito para recebermos algo de Deus, porque Deus não ama mais quem é mais espiritual. Isso tornaria o Seu amor condicional, e não podemos por nós mesmos agradar a Ele. É Cristo que nos torna agradáveis a Deus. Se pudéssemos agradar a Deus por nós mesmos, não precisaríamos mais de Jesus.
Não estou aqui simplesmente para "fazer o bicho pegar!" Quero levar cada leitor a reflexões sensatas, mas acima de tudo, bíblicas. Nada de "eu acho" ou "eu penso". Quando a Bíblia se cala, não precisamos ter voz. Quando digo que "espiritualidade não pode ser medida, nem é algo visível", não estou indo além da Bíblia. Paulo só identificou superficialidade na Igreja de Corinto por causa dos resultados da espiritualidade. Concluiu que os motivos eram errados. Havia egoísmo, dissensões e outras coisas mais.
As próximas etapas da história da humanidade trarão grandes surpresas. Pessoas que tocaram trombetas diante de si pensando ser ou fazer mais que os outros serão surpreendidas pelo Senhor. Continuo crendo que não podemos medir espiritualidade, mas podemos identificar a falsa da verdadeira ou da meia-verdadeira. A Bíblia diz que "o homem espiritual a tudo discerne e por ninguém é discernido".
NOTA: Amigos, não quero que pensem que sou um monstro e estou aqui pra dizer que minhas opiniões são verdades absolutas. Haverá horas que eu terei de me calar. Quando reconhecer que errei em algo, fica tranqüilo que as desculpas serão postadas aqui também. Não quero agredir ninguém com meus comentários.
NEle, que antes de condenar, escutou, Seu amigo.

Pensando no Culto de Amanhã!

Hoje é tempo de pensar! Quero dizer que hoje é tempo de buscar a Deus de forma diferente, não inovando o culto que estamos acostumados, mas apreciar a rotina de Deus para cada dia. Descobrir que Deus não precisa de um grande espetáculo para comunicar suas verdades eternas a nós. Lembra-se de Elias: queria ver Deus naquilo que era normal; acabou encontrando Deus em algo tão simples quanto uma brisa suave.
Ele ainda pode fazer isso hoje. Basta apenas congregar hoje com a expectativa de que Deus apreciará seu culto e não você o culto a Ele. Espere hoje com grande alegria; quando menos esperamos, Ele aparece. Viva o hoje; basta a cada dia o seu próprio mal. Deus dá consolo aos seus.
Sê feliz!
Um forte abraço a todos.