segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Aprendendo Mais...

Durante toda a vida recebemos conselhos. Do berço ao túmulo eles ainda podem ser ouvidos. “Cale a boca!” “Por que você não cresce?” “Não faça isso!” “Não murmure!” “Isso não, isso sim”.

Ninguém vai negar que conselho é essencial para a vida. A Bíblia diz que “na multidão de conselhos, há sabedoria”. Eu creio nisso. E de todos os conselhos (não menosprezando os de Jesus), o de Paulo é o que mais me toca.

Ele terminara de falar sobre os dons espirituais, discursara sobre a unidade deles, descrevera sua diversidade e em seguida disse que havia um caminho melhor para alcançá-los, descrevendo, de forma única, o AMOR!

Melhor que qualquer outro, Paulo se concentra no amor para nos falar das coisas do céu. Ao contrário do que o mundo pensa, o coração que ama merece ser honrado.

Paulo ensina que, ainda que fale as línguas dos anjos e dos homens, tenha todos os dons, conheça todas as ciências, possua toda a fé, tenha compaixão dos miseráveis e que se entregue para ser um mártir, se não tiver amor... “seria como o metal que soa...” “como o sino que tine...” “nada seria...” “nada disso me aproveitaria...”

A primeira vez que li essas palavras, achei que Paulo estava sendo duro demais. Será que não vale a intenção? O fim não justifica os meios? Esse, como Paulo começa o parágrafo, é o caminho melhor: o caminho do Amor. O caminho que prefere sofrer ao invés de questionar, que continua crendo em meio à falta de fé, que tudo espera mesmo sendo tardia a esperança e que tudo suporta sem revidar à afronta. Esse é o melhor caminho.

Tenho de confessar que às vezes fui egoísta. Fiz por que queria ser elogiado, falei porque queria ser agradável, escondi porque queria ser amigo, neguei porque achei que só Deus e eu sabíamos. Quão falso fui! Mas quero tentar andar por esse caminho.

Como os discípulos rumo a Emaús, essas palavras hoje me ardem o coração. Quero seguir também com Ele nesse caminho que une Deus e humanos, o pecador e o seu remidor, que torna santo o profano e que considera todas as demais coisas falíveis... Tudo passa.

E, de eternidade a eternidade, assim como Deus é Deus para sempre, o amor será sempre o amor: permanente e maior que qualquer coisa. Deus é amor. É com Ele que eu quero seguir, até conhecê-lO assim como Ele me conhece, na trilha do amor...

Nenhum comentário: