sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Uma Palavra Sobre Política

PARA INÍCIO DE CONVERSA, não sou contra política. Acredito no poder do governo, oro pelos nossos governos. A maioria dos dicionária a define como "arte ou ciência de governar"; "arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados"; "aplicação desta arte nos negócios internos da nação (política interna) ou nos negócios externos (política externa)"; "arte ou vocação de guiar ou influenciar o modo de governo pela organização de um partido, influenciação da opinião pública, aliciação de eleitores etc"; "conjunto dos princípios ou opiniões políticas"; "conjunto dos princípios e medidas postos em prática por instituições governamentais e outras, para a solução de certos problemas sociais" (Michaelis). Mas a grande maioria, simplesmente não sabe nem entende esse significado. E não é porque nunca leu sobre isso. O motivo é que aquilo que é visto nega o seu significado.
HISTORICAMENTE vivemos um momento único. A crise nos últimos anos desacreditou a política. Os escândalos envolvendo as assembleias legislativas, governos estaduais, senadores, deputados federais e até a presidência deixaram a população sem reação. Para incurtar o assunto, os políticos só aparecem em tempo de campanha. Sinceramente, nada disse me atinge. Estou vacinado. Infelizmente nem todos podem dizer isso.
ESPIRITUALMENTE o quadro é ainda pior. Enquanto milhares estão depositando sua confiança, agora na nova política, aliás, "o ficha limpa veio para dizer-nos quem os melhores para assumir o governo". Nesse montoeiro de esperanças frustradas, os últimas dias são marcados por um evangelho sem muita luz, sem muito sal. Em vez de mostrarmos que a Igreja precisa apenas de Jesus, vemo-nos seduzidos a reunirmo-nos e decidirmos quem vamos apoiar. Sem qualquer reflexão, que pese ideologia contrárias à Palavra de Deus e nosso posicionamento como cristãos, damos as mãos aqueles que pensam diferente de nós, e inocentemente, parecendo ignorar o que já aconteceu em épocas passadas, trazemos o estado para dentro de nossas igrejas.
O QUE VAMOS FAZER? Mais uma vez eu digo: não sou contra política. Qualquer crente pode estar envolvido com políticos, conheço vários assim. Como indivíduos somos livres para fazer o que nos der na telha, mas a Igreja do Senhor é inalienável. E por mais radical que pareça, ela não precisa de políticos. A Igreja precisa de Jesus.
TODAS AS VEZES que Igreja e Estado deram as mãos houve fracasso. Biblicamente, as intervenções de Deus na política foram para libertar. Foi assim com José do Egito, Moisés, Gideão, e na época de Samuel, quando o povo invejoso do sistema político que tinha as nações vizinhas, Deus deixou bem claro: "Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles" (1Sm 8.7). Fico muito preocupado quando vejo a Igreja do Senhor sendo honrada pelas autoridades governamentais. Nas bem-aventuranças de Cristo para o seu povo, principalmente a última, Ele diz: "Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós. Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte" (Mt 5.11-14). Será que você acredita mesmo que a Igreja deve ser honrada pelas autoridades? Ela não deveria ser sal e luz? Sal para conservar e luz para alumiar as trevas.
continua...

Nenhum comentário: