domingo, 17 de janeiro de 2010

Velando pelas amizades



"Vós sereis meus amigos..." (Jo 15.14).
Eles estão presente em toda sua vida. São acompanhantes, ouvintes, conselheiros e de pronto atendem a sua primeira chamada e reconhecem de longe o seu andar e o barulho feito pelas suas sandálias ou sapatos. A maioria das pessoas jamais morrerá sem antes experimentar a emoção de ter ou ser um amigo.
Sim, eles são dádivas de Deus a nós. "Como o ferro com o ferro se aguça, assim o homem afia o rosto do seu amigo" (Pv 27.17). Feliz o homem que tem um amigo. Eles estão presentes em pelo menos dois grandes momentos de nossas vidas:
Os verdadeiros amigos estão presentes nos melhores momentos de nossas vidas. Olhe a sua vida. Lembre de todos as alegrias de sua vida, de todas as grandes comemorações, de todas as vitórias e tente recordar quem eram as pessoas que estavam ao seu lado. Quantos comemoraram suas vitórias? Quantos abraçaram-lhe e você sentiu que era verdade? Quanto estiveram com você até o final da festa? Os verdadeiros amigos comemoram sem falsidades e alegram-se com nossas alegrias e festejam com nossas vitórias.
Os verdadeiros amigos estão presentes nos piores momentos de nossas vidas. Cada lágrima que correu de seus olhos durante toda a sua vida, cada tristeza que passou, cada fracasso que experimentou, cada tormenta que atravessou, cada deserto que peregrinou, só pôde suportar por que tinha um amigo presente.
Um amigo presente é tão valioso quanto...
  • um lenço diante das lágrimas...
  • um companheiro na tribulação...
  • uma palavra na hora difícil...
  • uma vela na tempestade...
  • um oásis no deserto...
  • uma luz na escuridão...

Você conhece Jesus como amigo? Sabia que Ele quer ser seu amigo de todas as horas? Num dia em que os discípulos estavam tendo mais admiração por Ele como Senhor, fê-los a proposta de ser amigo deles, dizendo que um amigo "dá-se a conhecer". Um amigo revela as fraquezas e está presente em todas as suas. A psicologia diz que ao longo de uma vida média de setenta anos, teremos, no mínimo três amigos. Em trinta e três anos de vida, Jesus teve três amigos. Pedro, Tiago e João. Cada um deles com suas fraquezas, com seus temperamentos e com sua forma de mostrar a Ele que lhes era amigo. Nas alegrias, estiveram com Ele. Nos milagres, celebraram-lhe, mas a caminho do calvário, negaram-lhe. Sei que Jesus é o nosso melhor amigo, mas será que temos correspondido essa amizade? Será que podemos afirmar que somos amigos de Jesus como Ele é para nós?

Quero concluir essa palavra de hoje com alguns ensinamentos bem práticos para nossas vidas:

  • Os amigos que temos tem a nossa cara. Atraímos pessoas amigas parecidas conosco.
  • O tamanho da amizade é primariamente definido pela amizade que dispensamos.
  • A quantidade de amigos que temos é seletivamente escolhida por nós. Ou seja, temos a quantidade de amigos que escolhemos.

Um conselho: sempre puder, ore pelos seus amigos. Eles ser-lhe-ão gratos por toda a vida.

Um comentário:

Observatório Teológico disse...

É verdade meu irmão, os amigos devem ser preservados, amizades existem para que não fiquem estáticas mas sejam devidamente cultivadas, e com muito zelo. Boa essa palavra. Yornei-me seguidor de seu blog e convido o amado irmão para que conheça os nossos Observatório Teológico - www.observateologia.blogspot.com e Blog do Discípulo - www.creioeunabiblia.blogspot.com Que Deus abençoe sua vida e ministério, e a propósito, eu também sou Ramos da Silva...

Cicero Ramos