quarta-feira, 3 de março de 2010

Jesus, Exemplo de Humildade


Falar de Jesus é sempre agradável. DEle emana a fonte de amor e a verdadeira humildade ganha um novo sentido. Para falar de sua humildade, tomaremos por base o texto de Fp 2.6-8: "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz".

a) "... subsistindo em forma de Deus..." (v. 6):
  • A palavra "forma" refere-se não apenas à aparência, mas a existência de Jesus em forma de Deus, ou seja, Ele é divino.
  • Cristo era a imagem e glória de Deus.
  • É uma clara afirmação da deidade de Cristo.

b) "... não teve por usurpação..." (v. 6):

  • Destaca o contraste entre o primeiro Adão e o segundo Adão (Cristo).
  • Adão desejou ser "como Deus" (Gn 3.5). Cristo existindo na forma de Deus, ao invés de explorar sua posição, escolheu o caminho da humilhação (morte de cruz).
  • Ele não estava tentando se tornar Deus e não se prendeu a privilégios que sempre foram dEle.

c) "... a si mesmo se esvaziou... (aniquilou-se)" (v. 7):

  • Não diz que Cristo tirou de si mesmo sua identidade como Deus.
  • O significado é que Ele deixou o seu status celestial, não seu ser divino.
  • A natureza do seu esvaziar é definido em três fases que se seguem (v. 7): "assumindo... tornando-se... reconhecido".
  • Não pôde deixar de ser celestial mesmo na sua humilhação.

d) "... assumindo a forma de servo" (v. 7):

  • Servo, isto é, escravo.
  • Deixou seu status.

e) "... figura humana... (forma humana)" (v. 7):

  • Não somente se assemelhou aos homens, era verdadeiramente homem.
  • Para morrer (v. 8) tinha que ser completamente humano.
  • A aparência de Cristo como homem não era ilusão.
  • Está claro as duas identidades de Cristo.

f) "... humilhou-se a si mesmo..." (v. 8):

  • Foi um exercício de vontade pessoal de Cristo.
  • Sua humilhação foi evidente a vida toda e atingiu seu ponto culminante na morte.

I - TESOUROS REVELADOS AOS HUMILDES

1. Coisas ocultas aos Sábios e Entendidos (Mt 11.25).

a) O que estava oculto?

  • A Palavra de Deus.
  • O mistério (Cristo) que esteve oculto (Cl 1.25-27).
  • Mistério: nas religiões pagãs da época, os "mistérios" eram compreensões secretas fornecidas (normalmente mediante pagamento de taxa) a alguns poucos seletos iniciados.
  • Mistério: com certa ironia Paulo usa o termo para revelação que Deus facultou sem preço algum às nações (Cl 1.27).
  • Mistério: para Paulo, refere-se a algo que estava oculto, mas que agora está sendo revelado.
  • Oculto: o propósito salvívico de Deus para com os gentios esteve em grande parte oculto deles antes da vinda de Cristo.
  • Oculto: as gerações anteriores foram deixadas "andar em seus próprios caminhos" (At 14.16).
  • Oculto: o AT revelou em sombras que Deus viria habitar pessoalmente entre seu povo (Cl 1.27; Ez 36.25-27).
  • Oculto: que Deus criaria uma nova humanidade unindo gentios e judeus através de Cristo (Gn 12.3; Zc 9.9,10; Ef 3.5,6).

b) Explica-se aqui, O PORQUÊ DAS PARÁBOLAS - uma explicação através de figuras conhecidas, traçando um paralelo.

  • Mt 13.13: "Vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem entendem".
  • É que os judeus haviam rejeitado suas palavras. Embora o povo tivesse ouvidos para ouvir e olhos para ver, não tinham compreensão ou capacidade de discernir as coisas espirituais.
  • Aos discípulos Ele disse: "A vós é dado comhecer o Reino dos Céus".

2. A Revelação aos Pequeninos (1Co 1.26,27).

a) Ele se referia aos humildes que se sentiam pequenos diante de Deus.

  • São felizes os que reconhecem que estão falidos espiritualmente.
  • Todos os homens são pobres de espírito, mas poucos reconhecem.
  • Sentem não somente falta de riqueza espiritual, mas sentem-se inteiramente dependentes da graça de Deus.
  • "E como dizes rico sou e estou enriquecido, e de nada tenho falta, e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e cego, e pobre, e nu?" (Ap 3.17). "Pobre" aqui tem mais a idéia de mendigo e não somente de pobre.
  • Se o homem reconhecer sua falência espiritual, Deus tem como agir: 1) depois da mulher do fluxo de sangue ter gastado tudo, veio a Jesus (Mc 5.26,27); 2) quando o filho pródigo gastou tudo, veio de volta a seu pai (Lc 15.14,20); 3) quando os egípcios gastaram tudo, vieram a José (Gn 47.18); 4) quando dois devedores nada tinham com que pagar, o credor perdoou a ambos (Lc 7.42).

b) Muitas eram as virgens, mas Maria foi a escolhida. "Muitas rainhas, concubinas e as virgens sem número; mas uma só é a minha pomba, a minha imaculada... as filhas lhe chamarão bem-aventurada e as rainhas e as concubinas a louvarão" (Ct 6.8-9).

c) Haviam muitos rapazes em Israel, mas José foi escolhido para ser o pai adotivo de Jesus.

d) Haviam muitos pastores, mas a alguns foi dada a oportunidade de ouvir os anhos anunciarem.

e) Quais são os cinco trabalhadores de Deus? (1Co 1.27,28): 1) as coisas loucas; 2) as coisas fracas; 3) as coisas vis; 4) as coisas desprezíveis; 5) as coisas que não são.

  • Deus não esolheu uma árvore de boa madeira para chamar Moisés.
  • Deus não usou uma queixada de leão, um marfim de elefante ou um chifre de veado para Sansão vencer.
  • Deus não escolheu uma bomba, uma rocha ou uma pedra grande para Davi matar Golias.
  • Deus não escolheu um berço de ouro para Jesus nascer.

II - CONVITE AOS HUMILDES (Mt 11.28)

a) "Vinde a mim, todos..." (v. 28).

  • Um grande convite: "Vinde".
  • Um grande alvo: "a mim".
  • Uma grande oportunidade: "cansados e oprimidos".
  • Uma grande promessa: "Eu vos aliviarei".
  • Uma grande certeza: "achareis descanso".

Ou

  • Algo a fazer: "Vinde a mim".
  • Algo a tomar: "Tomai sobre vós o mu jugo".
  • Algo a deixar: "O cansaço e a sobrecarga".
  • Algo a encontrar: "Descando para as vossas almas".

III - TOMANDO O JUGO DA HUMILDADE DE JESUS

O jugo oriental é composto de dois pescoços. Se Cristo está conosco somos abençoados. Não existe lugar para um terceiro pescoço. "Não vos prendais a um jugo desigual" (2Co 6.14).

Jesus toma o lado mais pesado do jugo na caminhada (Fp 4.13).

Aquele que julga pesado o jugo de Cristo, não encontrará a coroa com facilidade.

Quando Cristo toma o fardo de culpa do pecador, tirando-os dos seus ombros, Ele põe o jugo de obediência sobre o seu pescoço.

Nenhum comentário: